19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

Ex-prefeito executado pode ter sido vítima de pistolagem

A- A+

A execução do ex-prefeito de Bom Jesus do Araguaia (983 km a Nordeste de Cuiabá), Hércules Martins, 51, pode estar relacionado a um crime de pistolagem. O autor do crime seria alguém de fora da cidade.

0cd9387f7e688221c2cc9296c236049a Segundo o delegado Deuel Paixão de Santana, o histórico de crimes na região eleva a hipótese de que esse possa ser o motivo do homicídio. “Por ele ser um ex-prefeito e, possivelmente ter deixado dívidas, pode ter sido um acerto de contas. Mas, quem cometeu o crime pode ter sido contratado. Este tem sido o histórico de crimes dessa região”, disse o delegado. Santana, que atende em Ribeirão Cascalheira (900 km a Nordeste da Capital), disse que esteve na cidade de Bom Jesus tentar ouvir algumas testemunhas, já que Hércules foi morto em praça pública, mas as respostas não ajudaram nas investigações. “Ninguém viu e nem sabe de nada. Todo dia, tem alguém novo na cidade e, por isso, há a possibilidade de que alguém tenha vindo apenas para cometer o crime. Não estou afirmando que essa foi a causa, mas não podemos descartar a hipótese”, disse o policial. O caso O ex-prefeito Hércules Martins foi executado às 19h20 de terça-feira (16), em frente a igreja católica da cidade. Ele estava conversando com outro homem, que também foi atingido pelos tiros, mas passa bem. Segundo informações da Polícia Civil, Hércules foi pego de surpresa, já que, dos cinco tiros, dois foram na nuca e um nas costas. O autor dos disparos desceu de uma moto, levantou o capacete, atirou e fugiu em sentido ignorado. A família do ex-prefeito mora em Barra do Garças (507 km  Leste de Cuiabá e ainda não foi interrogada. Outros crimes Em 2010, a Polícia Civil realizou a Operação Barra Pesada, que desarticulou uma quadrilha de pistoleiros na região do Araguaia. O grupo, formado na maioria por nordestinos, era suspeito de matar fazendeiros e proprietários de terras da região. A quadrilha confessou que todos os seis crimes de execução foram encomendados. Neste ano, um casal também foi assassinado, em um assentamento em União do Sul (719 Km ao Norte da Capital). “Vamos investigar os crimes de pistolagem, porque aqui não é local que o povo mata e some, como se nada tivesse acontecido”, completou o delegado Deuel Santana.

Midia News