06 de maio de 2021
Campo Grande 25º 16º

BONITO | MS

Exclusivo: preso, Patrick enfiou chave no ouvido e tentou matar catador para furtar caminhonete

Vítima diz que autor vinha tramando furto do veículo; suspeito foi preso ontem; tentativa de homicídio ocorreu em março  

A- A+

A polícia prendeu ontem (20. abril) Patrick Luan Castilho Ferreira, de 30 anos, suspeito de tentar matar Francisco Dutra Machado, de 61 anos, em 23 de março no lixão, em Bonito, no interior de Mato Grosso do Sul. O acusado enfiou uma chave de fenda dentro do ouvido esquerdo de Francisco até atingir o crânio.

Segundo a polícia, o idoso foi achado naquele 23 de março, todo ensanguentado e disse que só sobreviveu pois lutou, segurando o braço do autor. A chave, segundo a vítima, tinha 20 centímetros, porém, não foi localizada. 

Ferido gravemente, Francisco recebeu os primeiros atendimentos em Bonito e depois foi para a Santa Casa de Campo Grande, local onde ficou internado 3 dias em recuperação. "Fiquei três dias lá aqui os médicos disseram que foi até risco de perfuração craniana de natureza gravíssima, por isso fui para Campo Grande", disse Francisco com exclusividade ao MS Notícias.  

As agressões seguidas de tentativa de homicídio ocorreram, segundo Francisco, após Patrick tentar furtar a caminhonete da vítima. “Eu estava catando material, colocando na caminhonete ele chegou com um pau, me batendo... até que eu caí e ele enfiou a chave no meu ouvido e entrou no carro... eu levantei e lutei contra ele, foi quando a chave da caminhonete quebrou. Ele me bateu de novo e acertou a porta da caminhonete”, explicou Francisco.  

Ainda conforme o trabalhador, Patrick teria fugido quando viu que a chave quebrou.

No boletim de ocorrência a polícia disse que Francisco teria sido agredido pois figuraria como testemunha contra o autor e por vingança Patrick teria feito isso. “Ele vinha roubando as coisas aqui..., mas já estavam falando para eu ficar esperto que ele queria roubar a caminhonete. Aquele dia ele veio aqui para roubar ela, não foi vingança nada”, esclareceu.

O delegado que preside as investigações, Gustavo Henriques Barros, representou pela prisão temporária do suspeito e a Polícia Civil de Bonito vinha monitorando-o desde que ele fugiu da cidade no dia do crime.

O investigado foi indiciado pelo crime de homicídio qualificado quando cometido para assegurar a ocultação de outro crime na forma tentada.