10 de abril de 2021
Campo Grande 35º 20º

Coxim

Fazendeiro recebe multa de R$ 125 mil por desmatamento ilegal

Durante fiscalização nas propriedades rurais do município, na operação Padroeira do Brasil, Policiais Militares Ambientais de Coxim autuaram um pecuarista por desmatamento ilegal. A PMA localizou a infração em uma fazenda de 500 hectares, localizada a aproximadamente 70 km da cidade de Coxim. O fato ocorreu no última terça-feira (11).

O proprietário rural desmatou 124,40 hectares na propriedade em quatro áreas diferentes, sendo uma de 33,09 hectares, outra de 7,32 hectares, mais uma de 27,35 hectares e a última de 56,64 hectares. O responsável pela fazenda apresentou licenças ambientais (Autorizações Ambientais Eletrônicas) para a limpeza de pastagem e de derrubada de árvores isoladas.

A licença de limpeza só permite a derrubada de arbustos, com diâmetro abaixo de 32 centímetros na altura do peito (Circunferência a altura do Peito - CAP, que é considerada a 1,30 metros de altura da vegetação), com uso de roçadeiras ou foices. Porém, a vegetação desmatada apresentava árvores derrubadas que atingiam 60, 75 e 105 centímetros de diâmetro, o que caracteriza o desmatamento. Também nas áreas, as árvores derrubadas não eram isoladas, como previstas na segunda licença apresentada, mas em vegetação de cerrado.

Essas licenças são tiradas online no site do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (IMASUL), em razão de serem atividades de baixo impacto, porém, alguns proprietários aproveitam para realizar desmatamentos e tentam justificar com essas autorizações.

Em todas as medições realizadas com uso de GPS pelos Policiais, em 377,03 hectares com alterações, apenas 252,63 hectares eram de limpeza de pastagem, onde já havia braquiária humidícula. Nessas áreas houve uso de tratores na gradação para a renovação da pastagem.

As atividades foram paralisadas. O proprietário da fazenda, de 58 anos, residente em Coxim, foi autuado administrativamente e multado em R$ 125.000,00 pelo desmatamento nas quatro áreas da fazenda. O pecuarista também responderá por crime ambiental e, se condenado, poderá pegar pena de três a seis meses de detenção.