19 de setembro de 2021
Campo Grande 38º 25º

BARBÁRIE | CAPITAL

Filho confessa que com faca de cozinha ajudou a mãe a separar membros de Chargista

Um dos filhos da suspeita confessou nesta 4ª-feira (25.nov) ter ajudado a mãe

A- A+

João Victor Silvestre de Azevedo Leite, de 21 anos, filho da massagista Clarice Silvestre, acusada de matar o chargista Marco Antônio Rosa Borges, de 56 anos, disse que ajudou a mãe a esquartejar, queimar e ocultar o corpo do Chargista, no sábado (21.nov.2020), sendo queimados os restos mortais na Rua Nova Europa, no Jardim Corcovado. O mulher, que é massagista, teria discutido com Marco, devido a foto de uma outra mulher no celular dele.  

Marco e Clarice teriam iniciado relacionamento aberto após a vítima começar a frequentar a casa de massagem da acusada. Após envolvimento, segundo depoimento de Clarice, Marco queria que ela deixasse de trabalhar como massagista, mas ela se negava, por isso, ele teria começado provocar a suspeita postando fotos com outras mulheres em sua rede social.

Ainda segundo a suspeita, no dia do crime, a vítima postou foto com uma mulher e depois foi encontrar a massagista no Bairro Monte Castelo, local onde ficava o estabelecimento de massagem de Clarice. Na ocasião do encontro, a massagista que trabalhava com a técnica tântrica de massagem, deu banho na vítima, momento em que teria iniciado a discussão devido a foto. Clarice disse que em dado momento acabou levando um tapa desferido por Marco, na reação, ela empurrou a vítima, que teria rolado escada abaixo batendo com a cabeça. 

Depois de notar que na queda o Chargista veio a óbito, a mulher chamou o filho e juntos teriam usado uma faca de cozinha para separar os membros da vítima para que ele coubesse em 3 malas. Na sequência, mãe e filho levaram as três malas à uma casa abandonada no Jardim Tarumã, ao lado de uma igreja, lá deixaram os restos, que primeiramente pesavam em enterrar, porém depois decidiram incinerar.    

Passados três dias do desaparecimento de Marco, a Delegacia Especializada de Homicídios (DEH) já considerava a massagista a principal suspeita e conseguiu ordem de prisão para ela. Porém, logo ficaram sabendo que a mulher havia deixado a cidade.

Ela seguiu à Coxim, onde foi à casa de filhos que forçaram ela a se entregar. Com isso, a suspeita foi até o município vizinho de São Gabriel do Oeste onde se entregou, confessando ser autora do assassinato do Chargista. 

Ela e o filho estão presos e devem responder por homicídio e ocultação de cadáver.