19 de junho de 2021
Campo Grande 27º 14º

Mulher assassina concunhada por dívida de R$ 80,00

A- A+

Foram apresentados hoje os envolvidos no assassinato de Cláudia Gabriel dos Santos, 37, na ultima sexta-feira, no Jardim das Perdizes em Campo Grande. Débora Nicolau de Araujo,20, e seu sogro Abadio Fernandes de Andrade,62, estão no 4º DP (Distrito Policial) esperando transferência para o presídio. De acordo com Débora, sua concunhada Claudia, devia R$ 80,00 a ela proveniente da compra dos cremes que vende, já que trabalha como autônoma. Depois de cobrar a dívida sem sucesso, Débora foi então até a justiça itinerante e entrou com uma ação requisitando o seu dinheiro. Ao ser intimada, Cláudia teria ficado muito brava. “Ela começou a me ameaçar de morte. Ela disse que ia me matar, quebrar a minha cara, que eu era uma cobra, vagabunda, biscate”, disse Débora. Conforme contou, na sexta-feira, Débora estava em casa, com seus dois filhos, de três anos e cinco meses e pegou um punhal, que segundo ela, encontrou em uma chácara que morava, e o colocou na cintura. A mulher disse que não tinha a intenção de matar Cláudia, mas que ao sair de casa, se deparou com a concunhada, que teria partido para cima dela e a deixado com o olho roxo, momento em que Débora desferiu nove golpes com o punhal. A mulher diz estar arrependida e que no momento do crime não estava com ódio da concunhada e não pensou nos filhos. Após a ação a população segurou Débora, e nesse momento o sogro passou pela rua e viu a cena. De acordo com Avadil, a primeira reação que teve foi tirar Deébora do meio do tumulto, pos de acordo com ele, os populares iriam linchar ela. “A outra (Cláudia) só falava q ia matar essa (Débora)aqui. Essa aqui tá presa sem merecer porque a minha outra nora não era nora, ela vivia com meu filho, a gente tentou abrir olhos dele porque ela andava com gente da pesada. Fiquei transtornado com situação e agora tô preso, eu sou inocente, nossa lei é estranha, só tirei ela de lá porque iam linchar, a outra  não presta”, disse o sogro. De acordo com o delegado  Thiago Macedo, do 4º DP, no bairro Moreninha, o delegado disse que Débora estava esperando passar flagrante, mas no domingo, dia em que se apresentou na delegacia, já ficou presa porque estava decretada a prisão preventiva. O sogro, que a levou até a delegacia, esperava a nora dando voltas de carro pelo bairro, sendo localizado pelos policiais e também preso. Débora será encaminhada pro presídio feminino de Campo Grande e a transferência do sogro irá ocorrer quando houver vaga em algum presídio do Estado, porém ambos podem ser encaminhados ainda hoje. Tayná Biazus e Dany Nascimento