19 de janeiro de 2022
Campo Grande 34º 24º

EXECUÇÃO | CAMPO GRANDE (MS)

Vídeo: Elieser é executado no portão de casa no Nova Lima

PM diz que vítima foi alvejada por atiradores em moto

A- A+

Elieser Romero Espinoza, de 27 anos, foi executado em frente à casa do irmão, às 05h38 desta terça-feira (11.jan.22), na Rua Randolfo Lima, no Bairro Nova Lima, em Campo Grande (MS).

Segundo o boletim de ocorrência, a polícia foi acionada via Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPS), com a informação de que alguém havia sido alvejado.

A equipe da Polícia Militar (PM) foi ao local e encontrou Elieser estirado na calçada em frente ao número 642 com muito sangue ao seu redor e cápsulas de arma de fogo.

A PM diz que de imediato foi solicitado o socorro e compareceu ao local a Unidade de Resgate e Suporte Avançado (URSA) 01 do Corpo de Bombeiros, comandada pelo tenente Médico Dermival Caldeira Junior.

Após examinar o corpo, porém, foi constatado o óbito.

Em seguida, foi acionado a Perícia Técnica da Polícia Civil, compareceram a perita Regina Dias e seu auxiliar de perícia Valdinei Pereira. Também foi ao local o Delegado de plantão, Rodrigo Camapum.

Segundo eles, o corpo pertencia a Elieser. As autoridades afirmaram que a vítima cumpria pena na casa do albergado juntamente com o irmão Simon Pedro Romero Espinoza, de 36 anos e, como faziam todos os dias de manhã, iam para a casa de Simon, no endereço do crime.

Hoje, porém, Elieser foi para a casa do irmão sozinho e quando desceu de um carro de aplicativo, foi interceptado por dois ocupantes de uma moto que se aproximaram, sacaram uma pistola calibre 9mm e efetuaram vários disparos.

Conforme narrado, mesmo após atingir e Elieser cair, o garupa da moto desembarcou, foi até próximo da vítima caída na calçada e efetuou mais disparos. Na sequência, os suspeitos saíram em alta velocidade na moto em direção desconhecida.

Simon só cehgou 40 minutos depois à residência e encontrou o irmão já executado na calçada.  

Após o trabalho da perícia, o corpo foi liberado para a Pax Campo Grande.

PARAGUAIOS?

Alguns veículos de comunicação afirmam que Elieser era paraguaio, seus registros, porém, estão como ele sendo cidadão sul-mato-grossense. A reportagem tentou falar com o delegado para confirmar se de fato a nacionalidade de Elieser é paraguaia, mas na Depac, as várias tentativas de telefonemas não foram atendidas.  

Os sites dizem que os irmãso são paraguais porque eles foram moradores de Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã (MS).

A reportagem apurou que os irmãos foram presos em 26 de outubro de 2021, no mesmo local onde Elieser foi executado.

Na época, a polícia apreendeu 656 quilos de maconha com a dupla. Elieser assumiu ser dono da droga e disse que o irmão apenas o emprestou o espaço na casa para guardar o ilícito. No dia, havia mais pessoas na casa, entre elas, a esposa de Simon, essa sim que tem o registro como natural do Paraguai. 

O caso foi registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (DEPAC-Centro) como homicídio qualificado pela traição, de emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido.