14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Cine Cênico é opção consistente de formação cinematográfica na capital

A- A+

O Cine Clube que é um Projeto de pesquisa e extensão do curso de Artes Cênicas da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS, coordenado pelo professor Dr. Marcus Villa Góis, com a parceria da Sociedade Psicanalítica de Mato Grosso do Sul chamado CIne Cênico, que mostra as linguagens do cinema e teatro se convergindo e até da dança.

No Primeiro dia assistimos curtas do dramaturgo Samuel Becket, expoente do Teatro do Absurdo, ao ser filmado se parece mais verossímil, ainda que Becket não gostasse do título que suas peças tenham ganhado assistir aqueles personagens tão ultra reais, mesmo que seja um close sufocante numa boca que vociferra palavras que vão como um soco na sua mente. Destaque para Rough for Theatre I e a semelhante formato com “Esperando Godot”.

?Pina de Win Wenders emocionou a plateia, seguindo filme da mostra. O diretor então gravou os espetáculos A Sagração da Primavera, Vollmond e Café Mülle, mesmo sem saber que forma daria ao filme, apenas buscando registrar o toque da coreógrafa ainda fresco nos movimentos de seus dançarinos. O resultado final é um filme profundo onde além das palavras, mas sim, na composição das locações e na intercalação entre elas.

Mercador de Veneza baseado na obra de William Shakespeare, terceira obra analisada nos faz pensar em tantas questões humanas e de como é preciso decidir-se a favor da pessoa humana defendendo sua dignidade e integridade física e psíquica que por sua vez tem maior relevância comparada com dinheiro.

Eduardo II de Derek Jerman diretor inglês, famoso por suas obras declinadas a transgressão estética e ao homoerótico, conta com cenários antigos e um figurino noventista, com direito a Annie Lennox dando canja no meio ao amargo ensaio de imagens teatrais e com planos cinematográficos geniais.

E no último domingo dia 22 de março encerrou as exibições do Cine Cênico na programação do Boca de cena com o espetacular Boulevard do Crime Considerado o melhor filme francês da história do cinema, pela academia do César nos anos 1980, também foi um grande sucesso de público e teve indicação de melhor roteiro ao Oscar. O filme é cheio de linguagens teatrais o filme se passa em Paris, 1828. No meio da multidão do Boulevard do Crime, encontram-se atores e malabaristas. Aqui começa o amor frustrado de Garance com o mímico Baptiste Deburau. Apaixonado, ele não consegue se declarar, pois o espírito livre da mulher o intimida. Ao mesmo tempo, a filha do diretor do teatro, Nathalie, nutre um amor secreto pelo mímico e o jovem ator Frédérick Lemaître começa um relacionamento com Garance, que também ama Baptiste em segredo.