05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

INTERNACIONAL | DANÇA

Nova-iorquinos dançam de rosto colado novamente

A pandemia foi desastrosa para a dança. 1 ano e as milongas estão voltando pela cidade

A- A+

O distanciamento social simplesmente não existe no tango. Esta dança nascida nos bairros operários de Buenos Aires e Montevidéu é sobre a intimidade, o toque e a proximidade do abraço.

Não há distância entre os corpos; parceiros se apoiam um no outro, rostos e peitos se tocando, um braço em volta das costas do outro, comunicando-se através das pontas dos dedos e mudanças sutis de peso.

Essa proximidade - e a cadência melancólica da música - é a atração. Para muitos, a dança do tango cria uma conexão instantânea entre duas pessoas, não importa o quão passageira seja. A pandemia de coronavírus foi desastrosa para o tango. Mas as milongas - um estilo de dança rápido e acentuado e um lugar onde as pessoas se reúnem para dançar - estão novamente prosperando na cidade.

O maior teste até agora para esse retorno vem esta semana, quando o New York Queer Tango Weekend é retomado após um hiato de um ano. O festival, agora em sua sexta edição, foi reduzido, com nenhuma das habituais master classes lideradas por convidados internacionais vindos da Argentina ou da Europa. Ainda assim, será uma festa de tango itinerante de quatro noites que inclui uma drag milonga, um baile de máscaras e uma milonga com orquestra ao vivo. 

Acesse a reportagem completa do The New York Times clicando AQUI.