12 de junho de 2021
Campo Grande 25º 14º

Emerson Sheik abre sua casa e o coração: ‘Não sou pegador’

A- A+

Nada de harém do Sheik. Para mostrar que é um cara bem diferente do que tem sido pintado por aí recentemente, Emerson Sheik, 36 anos, abriu as portas de sua mansão em Mangaratiba, na região da Costa Verde do Rio de Janeiro, para o EGO. Na propriedade de 18 mil metros quadrados, com campo de futebol, quadra de vôlei, píer particular e até heliponto, ele mostrou os lugares em que recebe amigos e familiares na hora de festejar, elegeu o espaço como seu refúgio e se disse um cara família.

“Amo essa lugar. Venho para cá para descansar, quando estou com problemas. Tenho essa casa há nove anos, e é aqui que faço as minhas bagunças. Aqui é o meu cantinho, meu refúgio, diz.

E a fama de pegador? Sheik também fala sobre isso. Ou melhor, nega que faça o tipo mulherengo, conta que está doido para se “amarrar” e revela alguns de seus segredos na hora da conquista. Fama? Dinheiro? Nada disso! O jogador ataca com bom papo e cavalheirismo. Duvida? Confira mais na entrevista abaixo.

Como você virou esse foco de polêmica por causa de mulher? Fui casado por muito tempo, mas agora estou solteiro. Sol-tei-ro! Estou separado há cinco anos, e não é um absurdo um cara solteiro se envolver com quatro ou cinco mulheres nesse tempo. Não acho que sou pegador, nem quero ter essa fama. Não vejo isso com bons olhos. Talvez devesse tomar algum cuidado com esses momentos passageiros, mas não tomei. E a coisa virou essa loucura, das pessoas me abordarem na rua e dizerem que sou o pegador. Nada a ver. Quem me conhece sabe que não sou assim. Criou-se um mito que não condiz com a verdade. Você falou em relacionamentos passageiros. Eles foram passageiros mesmo ou é você que não quer se amarrar? Não! Eu estou amarradão em me amarrar (risos). Fui casado com uma mulher muito decente, que é a mãe dos meus filhos (ele é pai de Kevin, de 12 anos, Émerson Filho, 8, e Henry, 6).Fui muito feliz no meu casamento e o perfil de mulher para eu me relacionar tem que ser algo semelhante. Talvez alguns dos meus relacionamentos recentes até tenham me feito lembrar desse perfil. Mas a maioria foi passageiro mesmo. Das mulheres com as quais você esteve envolvido, o que teve de verdade com Nicole Bahls, Andressa Quintanilha e Veridiana Freitas? Eu já conheço a Nicole há um bom tempo, tivemos um relacionamento, mas não foi um namoro. Ela tinha a vida dela e eu tinha a minha. Meu momento com ela era o nosso momento, mas acabou ali. Tinha um respeito, um carinho grande, mas as regras eram claras entre a gente. A Andressa é uma menina que eu conheci ainda em São Paulo, é queridíssima, linda, completamente do bem e por quem eu até hoje tenho muito carinho e respeito. Passei momentos bacanas com ela também, mas teve seu prazo e acabou. A outra quem é?

Veridiana Freitas! Eu nunca precisei arrumar confusão, entrar em nenhum tipo de briga com uma pessoa famosa, e todo mundo sabe que eu me relaciono com muitos famosos, para ter mídia. Saí de casa com 13 para 14 anos e não parei embaixo de uma bananeira para espera o cacho cair. Trabalhei para cacete para conquistar tudo o que tenho hoje. Tenho uma carreira de conquistas e vitórias. Respeitada à beça. Nunca tive absolutamente nada com essa menina. Acho que ela conseguiu o que ela queria. Mas daqui a 15 dias ela vai ser esquecida. No caso de quem tem uma carreira sólida e respeitada, isso é eterno. Ela inventou um monte de coisa. E, falando em português claro: se eu tivesse comido essa mulher, eu ia falar. Ela ia ser apenas mais uma. Entraria no grupo de mulheres que não têm o perfil para ser minha namorada. Ela ia seguir a vida dela e eu, a minha. Ficou claro que ela queria aparecer e até entrou em outra polêmica com uma menina do “Pânico”. Em menos de um mês, ela conseguiu o que ela queria: um pouco de fama.

Você pretende processar a Veridiana? Fui aconselhado por amigos e advogados a deixar isso para lá. Porque é exatamente isso que ela quer: fama. Se eu for processá-la, isso vai continuar rendendo e os 15 minutos dela já estão acabando. Ainda no caso dessa maluca, que inventou essa história absurda, fico pensando: imagina se eu tivesse mesmo dado um bolo nela, se isso seria motivo para explanar uma situação? (risos)

Nesse monte de polêmica também virou moda dizer que Emerson Sheik "não tem pegada". E aí? Olha, no caso dessa menina (Veridiana Freitas, que declarou no Paparazzo que o jogador não tem pegada), eu realmente não tenho pegada porque eu não peguei (risos). Mas você sabe que eu já me peguei pensando sobre isso? Agora levando para o lado da brincadeira, pensei: "Cara, saí lá de Nova Iguaçu, um moleque simples para caramba e hoje tem mulher falando que me pegou, sendo que não peguei". Achei isso irado!. Com a Nicole (ela também deu declaraçãosemelhante em entrevista ao Paparazzo), eu sei que ela estava muito p... comigo. Não me chateei, não. Eu ri, ela já deu risada disso também. E o que é que o Sheik tem? Qual o segredo do seu borogodó? É o dinheiro? A lábia? Acho que nem é a lábia. Gosto de conhecer as pessoas sem intenção de nada. Se a menina for bacana, quero trazer para o meu mundo. Eu me considero um cara inteligente, sei conversar, não sou nenhum ogro, trato as pessoas com carinho e respeito. Sou feliz absurdamente. Acho que isso contagia outras pessoas. Sobre pegar mulher porque tenho grana, fica a dica de novo: não rola. As mulheres com as quais me relaciono não precisam do meu dinheiro para nada. Mas na hora de conquistar, quais são suas armas de sedução? Tento ser eu mesmo. Nada de inventar porque mais na frente a máscara cai.  Sou muito gentil, cavalheiro, atencioso, que são coisas que a mulherada curte. E não perco nunca a minha essência. Sou de Nova Iguaçu, morei 11 anos fora do Brasil e consigo conversar com todo mundo. E aí dá certo!

Na hora H, qual o seu ponto forte? Como é um assunto muito íntimo, e para quem ficou com muita curiosidade da resposta, só digo que o bacana é estar em um ambiente tranquilo, que lá todas as respostas aparecem. Toparia posar para o Paparazzo, já que seu nome tem sido muito citado por lá? Acho que não (risos). Você é tímido? Nem é timidez... Acho só que eu estaria tirando o espaço das pessoas que têm esse foco.

Você falou que não é mulherengo. Como se define então? Sou muito família. Extremamente apaixonado pelos meus filhos. Eles são minha maior alegria. Sou um cara amigo pra caramba. Tenho poucos amigos, mas os que tenho são fiéis. Detesto mentira. Por isso fiquei p... com essa história de que saí com A ou com B. Tantas histórias sobre sua vida pessoal atrapalharam de alguma forma sua vida no futebol? Não! O futebol é muito importante na minha vida para eu virar só o cara pegador. Não influenciou em nada. Sou o cara que sai, mas sabe a que horas sai, para não atrapalhar em nada nos meus treinos. E como está a expectativa da sua volta para o Corinthians? A minha vinda para o Botafogo, embora seja um clube com uma história linda e pelo qual eu tive uma honra muito grande de ter passado, foi muito ruim profissionalmente. Foi o primeiro ano que fiquei sem um título na carreira. Eu me cobrei muito por isso. Tenho essa meta de ganhar um título por temporada. Acho que o lance de eu ter saído de um lugar simples, e a torcida do Corinthians ser formada por gente muito simples também - não estou dizendo que tenha só isso - faz com que role uma identificação muito grande com a torcida e o clube. Eles podem ficar tranquilos que vou tentar conquistar um título, sim. Podem esperar porque estou voltando com tudo.

Revista Ego