25 de janeiro de 2022
Campo Grande 36º 23º

QUEDA | SALVADOR (BA)

Faxineira que cuidava de trigêmeos pula de prédio para fugir de cárcere privado

Babá teve o celular recolhido pela patroa quando tentou pedir ajuda após sofrer agressões por querer largar o emprego

A- A+

Raiana Ribeiro da Silva, empregada doméstica, de 25 anos, que trabalhava como babá de trigêmeos em Salvador (BA), se jogou do terceiro andar de um prédio ontem (25.ago.2021), numa tentativa de fuga da situação de cárcere privado à qual era mantida por sua patroa, após essa não aceitar sua demissão. 

Segundo informações, desde o último dia 19 ela saiu da região de Itanagra, a 150 km da capital baiana, para trabalhar no bairro de classe média Imbuí, em um edifício. Raiana fraturou as duas pernas após a fuga e recebeu alta ainda no início da noite, conforme material da Agência Folhapress.

Por telefone ela teria acertado com a empregadora para morar no emprego e então se mudou, mas, cerca de dois dias depois - em 21 de agosto -, já comunicava sua atual patroa que buscaria outro emprego, pois estava sobrecarregada por cuidar dos trigêmeos sozinha, além de ser a responsável pelos demais afazeres domésticos.

Nesse momento o terror começou para Raiana, conforme apontou o advogado da babá ao portal G1, que revelou que a patroa iniciou as agressões. A defesa apontou também que ela ainda conseguiu pedir ajuda da família, enviando um áudio, mas até o aparelho celular foi recolhido pela patroa depois. Com isso, os familiares foram até Salvador em busca da vítima e não conseguiram encontrar o condomínio.

Na versão contada pelo G1, Raiana teria sido trancada no banheiro, mas pelas apurações da Folhapress, foi a babá quem se trancou para fugir das agressões no dia 21. Sem se alimentar desde então, pulou do cômodo no início da manhã desta 4ª feira (25.ago), caiu no primeiro andar do edifício e foi socorrida por vizinhos, que acionaram a polícia.

Esse caso está sendo investigado pela 9ª Delegacia Territorial, sendo que o titular já começou a ouvir depoimentos, fez o pedido para ter acesso às imagens das câmeras do edifício e, ainda hoje (26.ago.2021) deve  intimar a empregadora. 

De acordo com a Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, somente no primeiro semestre deste ano, mais de cem denúncias relacionadas a privação de liberdade na Grande Salvador haviam sido registradas no Sindicato dos Trabalhadores Domésticos do Estado da Bahia.

De acordo com o artigo 149 do Código Penal Brasileiro, entre os elementos que caracterizam o trabalho análogo ao escravo está o trabalho forçado (manter a pessoa no serviço por meio de fraudes, isolamento geográfico, ameaças, violências físicas e psicológicas). Além de multa, manter empregado sob condição de trabalho análogo ao de escravo pode resultar em prisão de dois a oito anos.

Tags: Bahia, queda