27 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

ANASTÁCIO

Em prédio público, prefeito 'chama' professores e cobra reeleição em troca de cargos

Nildo Alves, no terceiro mandato e ex-presidente da Assomasul, sabe que violou normas legais

O Centro de Convenções de Anastácio (MS) foi o local escolhido pelo prefeito Nildo Alves de Albres (PSDB) para assinar a investidura dos professores contratados para a rede municipal. Era 21 de maio deste ano e os profissionais da área, convocados pela Secretaria Municipal de Educação, atenderam ao chamamento. Mal sabiam o que os aguardava no evento.
Ao discursar durante o ato, Nildo Alves destacou os méritos de sua administração e as iniciativas em favor da política pública de ensino. Porém, sonhando com mais quatro anos de mandato, não perdeu a viagem. Prometeu que, se reeleito, irá manter todos os contratados na folha de pagamento da prefeitura. Pediu votos e ainda usou para isso um prédio público. Cometeu duas transgressões.

O que chama a atenção – e a cidade toda comenta – é que Nildo Alves está no terceiro mandato e também foi presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), entidade que por obrigação tem o dever de prestar aos gestores municipais todas as informações sobre suas responsabilidades, direitos e atribuições. Nesse caso, as regras mais elementares sobre responsabilidade fiscal e legislação eleitoral estão entre as principais lições da cartilha dos dirigentes municipalistas.

Nildo Alves sabia e sabe de suas obrigações, direitos e deveres. Tinha consciência que não poderia utilizar o Centro Municipal de Convenções e a assinatura de contratos com os trabalhadores da Educação para pedir votos e condicionar o preenchimento de cargos no futuro ao apoio eleitoral. 

O crime de corrupção eleitoral está previsto na lei 4.737, assim como a utilização de prédio publico para pedir votos (Artigo 73, da Lei 9.504). E ainda existe outra violação eleitoral, que é pedir votos antes da campanha oficial. Nildo é pré-candidato ainda, está em pré-campanha, e nesse período há limitações que a lei manda obedecer. O prefeito de Anastácio não obedeceu a lei.

Esta notícia já havia sido dada, na época, pelo Diário Popular de Anastácio em sua página no Facebook. Porém, a população continua comentando, perplexa, o desespero com que o prefeito Nildo Alves de Albres (PSDB) se atira na frente dos holofotes para chamar a atenção e faturar politicamente. Deduzem os anastacianos que essas atitudes denotam o incômodo que Nildo Alves está sentindo diante de seu maior concorrente, o ex-prefeito Douglas Figueiredo (MDB), avança na preferência das intenções de voto.

VEJA A PUBLICAÇÃO