22 de outubro de 2021
Campo Grande 32º 17º

LULA RESPONDE!

Lula dá entrevista à Rádio em MS; acompanhe as falas do ex-presidente ao vivo

Confira a íntegra da entrevista do ex-presidente Lula em MS

A- A+

O ex-presidente do Brasil e atual candidato a cadeira presidencial Luís Inácio Lula da Silva (PT), dá entrevista desde às 9h30 desta quinta-feira (14.out.21) à Rádio Grande FM 92,1. Emissora com grande alcance de público na Grande Dourados (segundo maior município de MS) e regiões.

VEJA A ENTREVISTA AO VIVO 

Entrevistado pela equipe da Rádio. Lula abriu sua fala comentando que quando saiu da presidência tinha aprovação de 87% de bom ou ótimo. “Era uma aprovação da sociedade brasileira, que entendia que tinha vivido o mais importante período de inclusão social”, introduziu Lula. 

“Quando tentei fazer o Bolsa Família houve quem me criticava, dizendo que eu ia criar vagabundo e que tinha que construir estada. Eu dizia que, no dia que o povo comesse cimento eu ia priorizar estrada, mas o povo estava precisando de comer arroz, feijão, mandioca... Nunca na história do Brasil foram feitos investimentos no Mato Grosso do Sul como foram feitos no meu governo. Seja na educação, saúde, hospital universitário”, destacou Lula.

GOVERNO PT - LULA E DILMA MERECE RETRATAÇÃO?

De acordo com o ex-presidente ele não deixou de falar do governo Dilma, é que para ele é difícil falar do governo de outra pessoa. 

“É importante lembrar que a Dilma sofreu um golpe. Construíram uma mentira chamada 'pedalada' e com ela se construiu uma maioria - que hoje governa o país - para afastar a Dilma. Diziam que o PT tinha quebrado o Brasil, que hoje está infinitamente pior que em qualquer outro momento. Mais desemprego, inflação, fome, mais custo de vida, economia informal funcionando, pois prevalece o emprego intermitente funcionando para o cidadão que não tem carteira assinada, nem plano de saúde, que não tem direito à previdência”, explicou.

“Houve um desajuste em 2014, quando o governo adotou uma política de desoneração, na minha opinião exagerada. Depois ela tentou corrigir e vocês já tinham uma figura chamada Eduardo Cunha na Câmara, que diferente do papel que o Temer fez para o Fernando Henrique Cardoso (em 99), que ajudou a fazer mudanças no congresso para ajudar na governabilidade”.

Para Lula, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha ( dirigiu a Casa de 1º de fevereiro de 2015 até renunciar ao cargo em 7 de julho de 2016, época em que ficou conhecido por ser um dos protagonistas da crise política de 2014 e por ter instaurado e conduzido o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff), começou a estabelecer pautas bombas, para que a Dilma tivesse dificuldade de governar. "Terminamos 2014 com 4,3% de desemprego, o menor já existente na história desse país... vocês se lembram disso! E a inflação altamente controlada", ressaltou. 

"Hora que a Dilma percebeu que tinha que fazer uma correção e mandou para o Congresso Nacional as medidas de mudança, ele não aceitou e ela, então, passou a viver seu inferno astral. De um lado o Congresso reprovando o que ela mandava e do outro o Eduardo Cunha trabalhando a ideia do impeachment da Dilma", opinou.  

"As pessoas do agronegócio estão muito felizes, que o dólar está crescendo. Importante chamar a atenção de que no nosso governo, o agronegócio foi tratado com muito carinho. Que lembrar da Medida Provisório 432/2008, quando a gente estabeleceu discussão sobre a repolitização e negociamos uma dívida de quase R$ 85 bilhões. Naquele ano evitamos que o agronegócio quebrasse", lembrou. 

Lula disse que passou a financiar coisas a 3% de juros ao ano, inclusive muitas máquinas para que a produção aumentasse no campo, inclusive para que a produção aumentasse.

"Se não gostam do PT é por outra razão... talvez por eu ser corintiano, por ser nordestino, qualquer outra coisa. E é um direito da pessoa não gostar, eu também não reclamo. A única coisa que exijo é que as pessoas digam a verdade porque não gostam", descontraiu. 

"Eu, efetivamente, sou defensor de que o Brasil carece de Reforma Agrária. Está na Constituição. Você não precisa invadir nenhuma terra produtiva para isso. Sou da opinião que os 'Índios' devem ser tratados dignamente e decentemente, pois eram donos desse país antes dos portugueses chegarem aqui... e não maltratar os índios como estão maltratados, e como vocês sabem que vivem quase 18 mil índios aí na cidade de Dourados", destacou. 

"Sou favorável que a gente tenha política de favorecimento do pequeno e médio negócio brasileiro, e que também tenha um tratamento especial ao grande negócio. Você nunca viu um discurso meu contra o agronegócio, [o meu discurso] é pela manutenção dele, que o Brasil precisa e pela manutenção da pequena e média propriedade, responsáveis pela produção de 70% ou mais dos alimentos que chegam na nossa mesa", pontuou. 

Segundo Lula, Dilma fez um bom governo e foi a figura mais queimada e ela foi assaltada do poder. Aquela famosa 'ponte para o futuro' que inventaram foi uma mentira. Não tem uma ponte, tem um abismo, pois a sociedade brasileira está assustada. "Em Dourados deve ter gente passando fome, em Campo Grande deve ter gente passando fome, tem gente passando fomo em mais do que em qualquer momento da história desse país, embora o Brasil seja o terceiro produtor de alimento no mundo", disse.  

De acordo com Lula, no governo do PT foi feita muita política de inclusão social.

"Nos meus 8 anos de governo, nós bancalizamos 70 milhões de pessoas - é a população da Argentina e Colômbia juntos - que colocamos dentro do sistema financeiro. Não é pouca coisa", destacou.  

O ex-presidente disse que está provando uma a uma as mentiras "combinadas" pela Polícia Federal, pelo ex-Juiz e ex-ministro Sérgio Moro. Para ele foi uma mentira combinada. "Moro e Dallagnol visitaram as redações dos principais jornais, revistas e televisões brasileiras, para dizer 'o que nós falarmos publiquem porque é verdade".

"O Moro foi um Deus de barro criado pela imprensa brasileira para tentar destruir o Lula. e eu graças a Deus estou aqui inteiro para tentar destruir o governo Lula", apontou. 

"Meu primeiro depoimento eu previ, estão lembrados que eu disse para o Moro: o Sr. está condenado a me condenar porque permitiu que a mentira fosse longe demais", lembrou Lula.

REGULAÇÃO DA MÍDIA - COMO NÃO SER UMA MEDIDA CENSORA?

Vão perceber que o cara mais censurado da história brasileira sou eu.

"Em 9 meses tive 13 horas de jornal nacional contra mim, nenhuns minutos a favor. Nesse período foram 680 editoriais de jornal contra mim, nenhum a favor. 55 capas de revista contra nenhuma a favor... e sequer me deram direito de resposta".

"Nesse país fui durante muito tempo execrado. Apesar de ter saído o presidente mais popular da história do país, quando resolveram que era preciso me tirar da política, construíram a maior insanidade contra uma pessoa". 

Precisamos construir um país menos nervoso.  

"Hoje tem um presidente da República que vai dar entrevista, em que ele não é capaz de dizer que fez um metro de asfalto em MS; que contratou uma enfermeira no MS; que colocou 10 alunos na escola no MS. Porque ele só destrói e mais grave, ele mente, todo santo dia. O prazer dele é inventar comunismo, até o papa virou comunista. Se vocês forem entrevistar ele e discordar, vocês vão virar comunista", analisou Lula.  

O ex-presidente disse que Bolsonaro é a ignorância elevada à quinta potência que está governando o país. "É um cidadão que ao invés de dar livro para a popualação, fica dando arma, incentivando a comprar arma achando que vai resolver o problema do país". 

Ainda não decidi se vou ser candidato. 

"Provei que o pobre não é problema, é solução. Hora que incluem ele no orçamento da União, que as pessoas mais humildes conseguem pegar um dinheirinho, ir no mercado e comer, começa a resolver os problemas desse país. Minha solução é simples: o pobre no orçamento da União; da Prefeitura, do Estado, e o rico no Imposto de Renda. Quando a gente fizer isso, começa a resolver os problemas desse país", comprometeu-se Lula.  

ESCÂNDALOS - É PREPOTÊNCIA NÃO FAZER AUTO-CRÍTICA? 

"Quando se trata de corrupção falo muito por mim. Não posso falar de um país que tem milhões de funcionários públicos, de uma Petrobras que tem uma governança elogiada no mundo inteiro, até agora não se provou que tinha dinheiro de corrupção na Petrobras. Até agora disseram que as empreiteiras deram o dinheiro, mas não disseram de onde veio. Não se provou", destacou. 

"Na verdade se montou uma quadrilha para destruir a indústria de engenharia, de óleo e gás, e indústria naval nesse país". 

"Quem tá ganhando com isso? Junto com o departamento de justiça dos Estados Unidos se construiu uma mentira muito grande. E estou dizendo pelo meu caso... Uma mentira, uma desfarçatez que vou poder ao longo do tempo provar, estou agora de cabeça erguida. Sinceramente não sei se meus acusadores tem esse mesmo direito de andar de cabeça erguida nesse país, pois foram alertados que estavam mentindo".

"A questão do mensalão é importante que vocês atentem... Para o mensalão chegar à um julgamento criou-se uma coisa chamada 'teoria do domínio do fato'. Me explica o que é isso?  Quando se cria isso, é porque não tem culpado, não sabe quem cometeu o crime, você supõe". 

Usando os repórteres como exemplo Lula exemplificou a teoria judicial usada no mensalão. "Se a gente fizesse um julgamento de vocês quatro, o Cícero que tem uma cara mais de senhor, e falasse: 'vamos condenar ele, porque é o mais avelho, então ele é o chefe. Nós vamos, eu não tenho prova, mas certamente é ele que manda nos outros'. Foi isso o que aconteceu no mensalão", disse Lula. 

Em atualização...