27 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 22º

'DESVID-19'

Vídeo: alvo da PF com dinheiro entre nádegas tinha "união estável" com Bolsonaro

Perfil no Twitter resgatou um vídeo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o senador Chico Rodrigues, suspeito de desviar dinheiro da Covid-19

Operação da Polícia Federal (PF) realizada ontem, 4ª-feira (15.out.2020), em Roraima flagrou o senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do governo de Jair Bolsonaro no Senado, com dinheiro na cueca e nas nádegas. A operação visa combater o desvio de recursos para o enfrentamento da Covid-19 e aprendeu com o senador R$ 30 mil. Durante a abordagem pela PF, ele tentou esconder dinheiro na cueca.

Um perfil no Twitter resgatou um vídeo antigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o senador Chico Rodrigues. Na filmagem, Bolsonaro diz ter quase uma "união estável" com Chico após ele trabalharem juntos durante 20 anos na Câmara dos Deputados. Atualmente, Rodrigues é vice-líder do governo bolsonarista, indicado pelo próprio presidente.

VEJA O VÍDEO 

O senador afirmou que confia na Justiça e que vai provar que não teve relação com qualquer ato ilícito.

Além do presidente, os filhos dele também afagam o parlamentar suspeito que não pode ser preso por ter benefício do foro previlegiado, assim como os filhos do presidente. 

Bolsonaro já criticou o ato de parlamentares pegos por investigadores escondendo dinheiro ilícitos na cueca, dessa vez é um de seus aliados.  

Eis o dia da nomeação de Chico feita pelo próprio presidente. 

 OPERAÇÃO

Deflagrada pela PF e pela CGU (Controladoria Geral da União), a Operação Desvid-19 tinha o objetivo de coletar informações sobre o desvio de recursos públicos oriundos de emendas parlamentares. Cada congressista tem direito a R$ 15 milhões por ano em emendas ao Orçamento da União.

Os valores eram destinados ao combate à pandemia da Covid-19 —recursos administrados pela Secretaria de Saúde de Roraima.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Boa Vista, expedidos pelo ministro Roberto Barroso, relator da investigação no STF (Supremo Tribunal Federal). Rodrigues foi um dos alvos.