22 de janeiro de 2021
Campo Grande 30º 20º
CORONA VIRUS

Direito de Família

Filiação Socioafetiva

Filiação Socioafetiva

A sociedade tem sofrido, a cada ano que passa, várias mudanças culturais, em diversas áreas, por exemplo, nos conceitos de família, filhos e cônjuges. A partir da Constituição Federal/1988, tivemos vários avanços em relação ao direito de família e consequentemente ao direito sucessório.

Em relação aos filhos, por exemplo, com o princípio da dignidade da pessoa humana e demais princípios, não há mais distinções entre os filhos biológicos, os adotivos e os filhos que antigamente eram chamados de bastardos (espúrios), ou seja, filhos nascidos fora do casamento.

Hoje, ainda vemos resquícios dessa injusta atitude, pois muitas pessoas que desconhecem a lei, ainda criam diferenciações entre os filhos, principalmente em se tratando de sucessões, acreditando que um filho, dito “legítimo”, teria mais direito do que os “ilegítimos”.

Pois bem, a filiação socioafetiva ganhou terreno, a partir do princípio do afeto ou da afetividade, que foi construído por meio da compreensão de outros princípios constitucionais, dentre eles a dignidade da pessoa humana. O princípio da afetividade não encontra menção específica na codificação pátria, porém baseia-se na soma de diversos princípios, como citado acima, sendo esculpido no sentimento harmônico do afeto, da dedicação e das emoções correntes. O reconhecimento da filiação socioafetiva foi uma grande vitória para a seara do direito de família e teve vários reflexos, principalmente no direito das sucessões.

A filiação biológica procede da reprodução natural, a adoção ocorre de um mecanismo administrativo, de acordo com as regras e normas legais, já a filiação socioafetiva é ligada ao tempo de convivência e da maneira como as pessoas se relacionam, tendo como base, o afeto.

No inicio, a filiação socioafetiva ganhou notoriedade e reconhecimento, a partir de decisões do Poder Judiciário, que tratava de caso a caso. Isso gerou reflexos em nosso ordenamento jurídico, não existindo, independentemente da sua origem, qualquer distinção entre os filhos.

Posteriormente, o CNJ autorizou através de provimentos (que tratam da paternidade/maternidade socioafetiva), o reconhecimento perante os oficiais de registro civil, dependendo da idade dos filhos, e demais requisitos. 

Caso necessário, o caminho para a busca da filiação socioafetiva será possível, através da ação ajuizada perante o Poder Judiciário, sendo assim, padrastos e madrastas que internalizam, vivenciam e se colocam como pais e mães dos filhos de seus companheiros e desejam o reconhecimento legal desse vínculo de afeto, poderão requerer judicialmente.

Independente da forma de paternidade/maternidade, sendo afetiva ou biológica, um coeficiente importante é o reconhecimento do pai/mãe em relação ao filho. Não somente o reconhecimento jurídico, mas também o reconhecimento da importância da pessoa e do seu lugar dentro da família. Reconhecer um filho, de sangue ou não, é um ato de fraternidade e solidariedade, que está sob o manto da dignidade humana.

 

Contato: brunomotaadv@outlook.com

Homem é multado em R$ 2 mil por cortar focinho de cachorro com facão
MAUS-TRATOS
há 7 horas

Homem é multado em R$ 2 mil por cortar focinho de cachorro com facão

Londres removerá estátuas ligadas ao comércio de escravos
CONTRA RACISMO
há 7 horas

Londres removerá estátuas ligadas ao comércio de escravos

Descartada pelo Planalto, Tebet diz não ser 'saudável' impeachment de Bolsonaro
SENADORA DE MS
há 7 horas

Descartada pelo Planalto, Tebet diz não ser 'saudável' impeachment de Bolsonaro

Funsat: Entre 658 vagas de emprego, eletricista tem 202 e técnico de enfermagem 100
OPORTUNIDADE
há 10 horas

Funsat: Entre 658 vagas de emprego, eletricista tem 202 e técnico de enfermagem 100

Empresários festejam lei que destrava gargalos da polícia administrativa
CAMPO GRANDE
há 11 horas

Empresários festejam lei que destrava gargalos da polícia administrativa

214 doses de vacina "omitidas" no DOE foram a mais para municípios e número alvo diverge
CAMPANHA DE IMUNIZAÇÃO
há 12 horas

214 doses de vacina "omitidas" no DOE foram a mais para municípios e número alvo diverge