27 de janeiro de 2022
Campo Grande 30º 22º

NO MATO GROSSO

Sorriso: gás de cozinha é vendido a R$ 140

Em Sinop, reduto eleitoral de Bolsonaro, gás está custando R$ 130

A- A+

Sorriso foi o município que registrou o preço mais elevado do produto, onde o gás chega a ser comercializado por R$ 140. Na cidade, considerando os 8 postos de venda consultados, o preço mínimo do insumo é de R$ 130.

Capital do estado, Cuiabá teve 45 postos pesquisados. O resultado apontou que na cidade o preço médio do produto é de R$ 120,98.

No município, o gás mais barato é vendido no Porto, por R$ 110, enquanto o mais caro é comercializado nos bairros Morada do Ouro e Tancredo Neves, por R$ 130.

Após Sorriso, as cidades com o gás mais em Mato Grosso são Alta Floresta, Rondonópolis e Sinop, todas têm o produto por até R$ 135.

As outras cidades, que incluem Cuiabá, Cáceres e Várzea Grande, praticam preços de venda que variam entre R$ 115 e R$ 130.

Em julho deste ano, balanço semelhante divulgado pela ANP apontou que o preço do gás em Mato Grosso à época também era o mais caro do país. No período, o valor máximo do produto era de R$ 130.

Com 13kg, o botijão de gás GLP mais caro do Brasil naquela época era comercializado nas cidades de Sorriso e Alta Floresta.

A divulgação sobre a alta taxa praticada no estado chegou a entrar em discussão na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

À época, o deputado Gilberto Cattani (PSL) requereu a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os valores, mas o pedido de abertura da investigação não recebeu apoio suficiente e o projeto não decolou.