24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

CÊNCIA

Ministro anuncia teste de antiparasitário que trata diarreia contra covid-19

Os testes clínicos com o antiparasitário estão sendo realizados em 17 hospitais de 7 capitais brasileiras

Um novo tipo de teste clínico com o antiparasitário nitazoxanida (tarja vermelha) em pessoas com Covid-19 vai começar a ser feito no Brasil, informou o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Marcos Pontes, nesta 3ªfeira (19.maio). O remédio já é usado no tratamento de diarreia e para combater doenças gastrointestinais provocadas pelo rotavírus e norovírus, segundo bula do medicamento junto a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Os novos testes vão incluir 500 pacientes na fase inicial da doença, com sintomas leves ou assintomáticos. “Nesta segunda fase de testes, a ideia é verificar a eficácia da nitazoxanida na fase inicial da doença. O objetivo desse novo protocolo é averiguar se a droga poderá evitar que a doença evolua para um quadro mais grave”, explicou o ministro durante coletiva. 

A nitazoxanida já está sendo testada pelo ministério há algumas semanas em outro grupo de 500 pacientes com sintomas graves da doença ou hospitalizados. Esse primeiro teste ainda não foi concluído e os resultados iniciais deverão ser avaliados por uma comissão técnica externa. “Estamos na fase de conclusão da primeira fase de testes, mas a conclusão depende da velocidade de entrada de novos pacientes”, ressaltou o ministro.

Os testes clínicos com o antiparasitário estão sendo realizados em 17 hospitais de 7 capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Manaus e Curitiba.

A seleção da nitazoxanida faz parte de uma estratégia chamada de reposicionamento de fármacos, adotada por uma força-tarefa formada por 40 cientistas do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Foram testados 2 mil medicamentos com o objetivo de identificar fármacos compostos por moléculas capazes de inibir proteínas fundamentais para a replicação viral. Com uso de alta tecnologia como biologia molecular e estrutural, computação científica, quimioinformática e inteligência artificial, os pesquisadores identificaram seis moléculas promissoras que seguiram para teste ‘in vitro’ com células infectadas com o SARS-CoV-2. Desses seis remédios pesquisados, os cientistas do CNPEM descobriram que dois reduziram significativamente a replicação viral em células. O remédio mais promissor apresentou 94% de eficácia em ensaios com as células infectadas.

TESTES RÁPIDOS

O ministro Marcos Pontes ressaltou que o MCTIC também está atuando para diversificar a oferta de testes rápidos contra a Covid-19. Uma das ações é utilizar reagentes produzidos no país para a realização de testes, dispensando a importação dos produtos. Outra iniciativa busca o desenvolvimento de testes rápidos com utilização de tecnologia e inteligência artificial.

NITAZOXANIDA

É usado no tratamento das seguintes infecções;

Gastroenterites virais provocadas por pelo rotavírus e norovírus; 

Helmintíases provocadas por nematódeos, cestódeos e trematódeos, como Enterobius vermicularis, Ascaris lumbricoides, Strongyloides stercolaris, Ancylostoma duodenale, Necator americanus, Trichuris trichiura, Taenia sp e Hymenolepis nana;

Amebíase, para tratamento da diarreia por amebíase intestinal aguda ou disenteria amebiana causada pelo complexo Entamoeba histolytica/díspar;

Giardíase, para tratamento da diarreia causada por Giardia lamblia ou Giardia intestinalis;

Criptosporidíase, para tratamento da diarreia causada por Cryptosporidium parvum;

Blastocistose, balantidíase e isosporíase, causadas, respectivamente, por Blastocistis hominis, Balantidium coli e Isospora belli.

QUAIS AS CONTRAINDICAÇÕES DO NITAZOXANIDA?

Nitazoxanida não deve ser administrado nas seguintes situações:

Doenças hepáticas ou doença renal;
Hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula.

Fonte: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.