24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

PANDEMIA

MS soma 122 mortes por Covid-19 e tem 7 mil curados

Dados da Secretaria de Saúde de Estado divulgados nesta 2ª-feira (6.julho)

Leia também

• Sem medo, sul-mato-grossense ignora isolamento em meio a aumento de 67% de casos de Covid na ultima semana

• Sul-mato-grossenses vivem normalmente e não sensibilizam ao isolamento

• Taxa de isolamento estaciona em 36% e estatísticas já mostram consequências do descaso com a vida

• Julho abre repetindo baixo isolamento do mês anterior, e consequências podem se agravar

• Com taxas de isolamento estagnadas, MS já contabiliza mais de 100 vidas perdidas para a Covid

Nesta 2ª-feira (6.julho), foi confirmado pela secretaria estadual de Saúde, que Mato Grosso do Sul que teve mais 5 mortes pela Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Em apenas 6 dias de julho o estado já registra 33 mortes, totalizando 122 óbitos. 

Além disso, segundo a  secretaria-adjunta de Saúde, Christine Maymone, amanhã, devem ser confirmadas mais mortes já que os números de óbitos não levam em conta registrados no final de semana, quando não tem expediente nos municípios.

O cenário de crescimento de números de óbitos deve-se principalmente ao descumprimento do isolamento social, que é, por hora, a única medida eficaz segundo a Ciência, no combate ao coronavírus. Apesar disso, Mato Grosso do Sul, registra um dos menores índices de isolamento social do país, e é o estado onde parte da população é negacionista a existência do vírus.

Dos 10.253 casos confirmados, 3.004 estão em isolamento domiciliar, 6.903 estão sem sintomas e já estão recuperados e 235 estão internados, sendo 130 em hospitais públicos e 105 em hospitais privados. Onze pacientes internados são procedentes de fora do Estado.  

No Mato Grosso do Sul, o Secretário Geraldo Resende anunciou também dado, que segundo ele é positivo: a recuperação de 70%¨dos mais de 10 mil infectados pelo vírus em MS. Apesar disso, Geraldo criticou o não cumprimento do isolamento social por parte da população. E voltou a dizer que não existem medicamentos com eficácia de cura comprovado e que no estado se evita politizar a doença. “Se a caso houver um medicamento, torcemos para que a ciência consiga nos próximos meses, eu torço para que isso aconteça no início de 2021, nos haveremos de poder adotar. Mas medicamentos, outros, desde que seja indicado pelo profissional médico e a pessoa queira usar, a gente irá disponibilizar, se os médicos acharem importante colocar à disposição da população”, disse o secretário. 

VEJA AQUI A LEITURA DO BOLETIM DE HOJE.