MS Notícias

quinta, 28 de maio de 2020

ECONOMIA

Reforma previdenciária é inconstitucional e 'covarde' diz sindicato de MS

Sinpol diz que entrará com medidas judicias e promete nova carreata

Por: REDAÇÃO21/05/2020 às 17:43
ComentarCompartilhar
Votação de Reforma Previdênciária na ALMSVotação de Reforma Previdênciária na ALMSFoto: Wagner Guimarães/ALMS

Por 16 votos a favor e 7 contrários, a Assembleia Legislativa de MS aprovou nesta 5ªfeira (21.maio), em segunda discussão, mudanças na previdência estadual, estabelecendo alíquota linear de 14%, medida considerada “covarde” pelo Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul (Sinpol/MS), elegando que medida atinge os servidores em plena pandemia, especialmente servidores aposentados e pensionistas. “O Sinpol está, inclusive, estudando medida judicial plausível para que possamos entrar com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra esse projeto”,  afirmou o presidente do Sindicato, Giancarlo Miranda, em LIVE transmitida na tarde desta quinta-feira. Ele detalhou as ações desenvolvidas em parceria com Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems) e  Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul (Sindijus), com carreata e articulação junto aos parlamentares.

O diretor jurídico do Sinpol, Hectore Ocampo Filho, explicou que a entidade se debruçou na formulação de emendas que foram apresentadas aos deputados, embasando-os juridicamente para que não aprovassem a reforma. “Foi uma ingrata surpresa por parte dos deputados que votaram favoráveis à reforma que, ao meu ver, não respeitam o funcionário público”. Segundo ele, a reforma promove um confisco, por isso cabe a ADI.

O Sinpol agradeceu, na live, os deputados estaduais que votaram contra a reforma previdenciária. Em segunda votação, foram eles: Cabo Almi (PT), Capitão Contar (PSL), Marçal Filho e Felipe Orro (PSDB), João Henrique Catan (PL), Barbosinha (DEM) e Pedro Kemp (PT). A mistura de legendas é algo raro nesses casos, no entanto, o Sinpol conseguiu votos de "gregos e troianos" para tentar barrar a reforma.

O deputado João Henrique Catan, que participou da LIVE com o presidente do Sinpol, questionou a falta de coerência da reforma, que segundo ele, deveria estabelecer faixas progressivas para o recolhimento à previdência. "Lembrando que em âmbito federal a alíquota começa em 7%. Em um momento como esse, de pandemia, nem preciso dizer quanto é catastrófico tirar qualquer parcela do servidor”, disse.

O deputado Pedro Kemp chamou de mentirosos argumentos para a aprovação: “É uma falácia dizer que isentar até três salários mínimos é inconstitucional porque alguns Estados fizeram isso, como o Paraná, tirou os que ganham até R$ 3 mil e outros que tiraram os que ganham até dois salários mínimos. Perdemos uma grande oportunidade para fazer justiça social”, opinou.  

Dos que votaram em favor da reforma, dois são pré-candidatos a prefeito nas eleições deste ano: Márcio Fernandes é o nome do MDB para disputar a prefeitura de Campo Grande e Marçal Filho é cotado em Dourados. 

Também nesta 5ªfeira, durante vídeoconferência, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) defendeu o congelamento dos salários de todos os servidores públicos até o final de 2021. Ele falou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com os 27 chefes dos estados e do Distrito Federal. Azambuja justificou que o aumento anual médio nos salários dos funcionários estaduais, nos últimos dois anos, foi de 3,9% e que devido a pandemia, MS teve grande queda em arrecadações.  
 

Deixe seu Comentário

TV MS

15 de maio de 2020
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial
Ministério da Cidadania fala sobre auxílio emergencial

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma