08 de dezembro de 2021
Campo Grande 32º 22º

INFLAÇÃO EXPLODINDO

Gasolina sofre 11° aumento no governo Bolsonaro; 'Vai para R$ 7,50 em MS'

Apesar da ameaça de greve dos caminhoneiros, o óleo diesel também deve ficar R$ 0,28 centavos mais caro; Bolsonaro não culpa mas os governadores, diz que a culpa é do dólar

A- A+

Sob o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a Petrobras anunciou nesta segunda-feira (25.out.21) mais um reajuste de 7,04% no preço da gasolina, esse é o 11º aumento do ano e o 2º do mês de outubro. O óleo diesel também ficou mais caro, em 9,15%. No interior de Mato Grosso do Sul, o preço da gasolina deve superar R$ 7,50 nas bombas, enquanto ficaraá próximo de R$ 7 na Capital.

De acordo com pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP), nos últimos 30 dias, o preço médio da gasolina teve alta de 4,07% no Estado, de R$ 5,987 para R$ 6,231. O menor valor praticado saltou de R$ 5,759 para R$ 5,99.

O próprio presidente trouxe a público aquele que seria é décimo primeiro aumento de preço de combustível numa gestão de 3 anos. “Temos aí, pelo que tudo indica, reajuste nos preços dos combustíveis. Isso nem precisa ter bola de cristal, nem informações privilegiadas, o que eu não tenho. É só ver o preço do petróleo lá fora e o comportamento do dólar aqui dentro. Eu não tenho poderes de interferir sobre a Petrobras”, lamentou Bolsonaro. Ele vinha culpando os governadores pelo preço do combustível, mas há alguns dias começou a dizer que é devido a alta do dólar que tudo está tão caro. 

“Eu indico o presidente (da Petrobras), nada além disso. Alguns querem que a gente interfira no preço, a gente não vai interferir no preço de nada. Isso já foi feito no passado e não deu certo”, justificou. A atual política de preços de paridade com o mercado internacional foi implantada há cinco anos, na gestão de Michel Temer (MDB) e mantida pelo capitão.

O resultado é o encarecimento absurdo no preço pago pelo consumidor. Na Capital, o menor preço praticado nas bombas deve pular dos atuais R$ 6,07 para até R$ 6,51 para o pagamento em dinheiro ou débito. No cartão de crédito, o valor poderá passar dos atuais R$ 6,489 para até R$ 6,95. O maior valor deverá superar R$ 7 em Campo Grande.

No município de Aparecida do Taboado, o sul-mato-grossense já paga R$ 7 pelo litro da gasolina. Na cidade, o valor poderá passar dos atuais R$ 6,997 para R$ 7,50. Em Amambai, o preço oscila entre R$ 6,499 a R$ 6,549 e poderá ficar entre R$ 6,90 e R$ 7,02.

Apenas neste ano, com 11 reajustes, o litro da gasolina subiu 73,4% na refinaria. O valor é sete vezes maior que a inflação acumulada de 10,23% neste ano. O preço passou de R$ 1,84, em dezembro do ano passado, para R$ 3,19 a partir de amanhã.

Apesar da ameaça de greve dos caminhoneiros, o óleo diesel deve subir mais 9,15% (R$ 0,28) na refinaria, passando de R$ 3,06 para R$ 3,34. Com mais este aumento, o produto acumula alta de 65,3% apenas em 2020.

O encarecimento dos combustíveis deve pressionar ainda mais a inflação, que já acumula alta de 11,43% nos últimos 12 meses em Mato Grosso do Sul, conforme o IBGE. Também poderão encarecer o preço dos alimentos. O preço do diesel deverá ser repassado aos passageiros do transporte coletivo, que na Capital terá aumento em dezembro.

FONTE: O JACARÉ.