21 de fevereiro de 2024
Campo Grande 22ºC

Arroz volta a ganhar força no Sul de Minas Gerais em consórcio com café

A- A+

Após perder espaço para outras lavouras nas últimas décadas, o cultivo do arroz pode voltar a ganhar força no Sul de Minas Gerais. Uma iniciativa conjunta de instituições de pesquisa e extensão rural está testando o plantio de arroz de sequeiro em consórcio com o café, com resultados promissores.

O programa, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), visa testar e promover o plantio do cereal em diversas cidades da região, incluindo Guaxupé, Guaranésia, Monte Santo de Minas, Arceburgo, São Sebastião do Paraíso, entre outras.

O destaque do programa é o plantio de unidades demonstrativas de arroz de sequeiro em consórcio com o café, uma inovação que tem atraído a atenção dos produtores locais. "Estamos entusiasmados com a receptividade dos agricultores em relação ao cultivo do arroz. Essa parceria com o café oferece uma oportunidade adicional de renda aos produtores", afirma Geraldo José Rodrigues, extensionista da Emater-MG.

Os técnicos da Emater-MG selecionaram produtores para participar do projeto, fornecendo sementes e insumos sem custo. O consórcio entre arroz e café apresenta diversas vantagens, como proteção contra pragas e doenças, enriquecimento do solo com nitrogênio e aumento da rentabilidade para os produtores.

A expectativa é que a iniciativa não apenas beneficie os produtores locais, mas também contribua para o abastecimento de programas governamentais, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Além disso, o mercado do arroz tem apresentado um crescimento significativo nos últimos anos, com os preços do produto dobrando desde 2023. Isso, somado às mudanças na legislação ambiental que favorecem o cultivo de arroz de sequeiro, torna a retomada da cultura do arroz uma oportunidade promissora para o Sul de Minas.

Os primeiros resultados são animadores. O cafeicultor João Eduardo de Paula Vieira, de São Sebastião do Paraíso, plantou 300 metros de linha de arroz e está satisfeito com o desenvolvimento da lavoura. "O arroz está grande e deve estar pronto para a colheita no próximo mês", diz ele.

Benefícios do consórcio arroz-café:

Diversificação da produção e renda extra para os cafeicultores.
Cobertura do solo, protegendo-o contra pragas e doenças.
Palhada, fornecendo nutrientes para o solo.
Redução dos custos de produção.
Melhoria da qualidade do solo.
Sustentabilidade ambiental.
Mercado em crescimento:

O mercado para o arroz também está em crescimento. Atualmente, a saca do grão (50 Kg) está valendo cerca de R$ 180, o dobro do valor em 2023. Com a implementação desse programa, Minas Gerais busca recuperar sua posição no cenário nacional como produtor de arroz, aproveitando o potencial da região e promovendo práticas sustentáveis de produção agrícola.

Fonte: Pensar Agro