24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

PANDEMIA

Governo diz que 2ª parcela do auxílio emergencial 'cai' na 2ªfeira

Os pagamentos de auxílio aos trabalhadores são para abrandar os impactos econômicos e evitar que famílias passem fome

Leia também

• Bolsonaro mentiu sobre sanção de auxílio de R$ 600 a trabalhadores informais e autônomos

• Em poucas horas, auxílio de R$ 600 soma 5 milhões de cadastros

• Caixa paga hoje auxílio emergencial de R$ 600 à 1,6 milhão de pessoas

• Quem tem auxílio emergencial negado pode fazer nova solicitação

• Veja o calendário de pagamentos dos auxílios-emergenciais

• Câmara vota nesta 2ªfeira auxílio emergencial à estados e municípios

• Data da segunda parcela do auxílio emergencial deve ser anunciada amanhã

• Dupla rouba idoso que tinha sacado auxílio-emergencial

• Caixa diz que aguarda calendário do governo para pagar 2ª parcela do auxílio

A Caixa Econômica Federal começará a creditar a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 a partir da próxima 2ªfeira (18.maio), informou o presidente do banco estatal, Pedro Guimarães, durante a live semanal do presidente Jair Bolsonaro. O calendário de pagamento será detalhado nesta 6ªfeira (15.maio), no Palácio do Planalto. Os pagamentos de auxílio aos trabalhadores são para abrandar os impactos econômicos e evitar que famílias passem fome durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus. A parcela em questão era para ter sido paga, segundo calendário inicial, entre os meses de abril e início de maio, no entanto, não ocorreu. Sendo que, são três parcelas a serem disponibilizadas aos trabalhadores nesse período.  

"Nós começamos na segunda-feira e faremos toda a questão via mês de nascimento, exatamente para que nós tenhamos uma tranquilidade maior no pagamento", antecipou Guimarães. 

O benefício é pago para trabalhadores informais e pessoas de baixa renda, inscritos do cadastro social do governo e no Bolsa Família. Além de problemas com o aplicativo Caixa Tem, o programa de auxílio-emergencial sofre críticas por parte da população que tem seu auxílio negado, ou mesmo encontram-se em longa espera da chamada "análise dos dados". O governo já chegou a informar que não teria recursos ao programa, depois recuou e decidiu então creditar a 1ª parcela em 30 de abril. Depois, outro grupo recebeu a primeira parcela em 16 de maio, esses, ainda não receberão a 2ª parcela, de acordo com o governo.  

VEJA ISSO Mulher descobre ser 'Presidente da República' ao ter auxílio negado

O calendário do pagamento da 2ª parcela do Auxílio Emergencial foi publicado no Diário Oficial da União de hoje (15.maio). O cronograma começa na segunda-feira (18) e seguirá até 13 de junho. O calendário da terceira parcela, que estava prevista para maio, continua sem definição.

O calendário da segunda parcela também vale apenas para quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril. O governo não informou quando vai pagar a segunda parcela para quem receber a primeira depois desta data.

CONTAS DIGITAIS

Ainda segundo o presidente da Caixa, o banco vai oferecer, de graça, uma conta digital para todos os beneficiários do auxílio emergencial. Até então, o banco só havia aberto contas digitais para pessoas cadastradas que não tinham conta bancária informada. "É o maior programa de inclusão digital do Brasil, que tem notícia, de todos os tempos, e numa velocidade muito grande", enfatizou Guimarães.

AUXÍLIO IRREGULAR

Durante a live, o presidente Jair Bolsonaro comentou sobre o pagamento irregular do auxílio emergencial a militares. As irregularidades foram detectadas após o ministérios da Defesa e da Cidadania realizarem um cruzamento de dados e identificarem que 73,2 mil militares ativos, inativos, temporários, pensionistas e anistiados receberam a ajuda do governo.   

"O que aconteceu com muitos recrutas, não sei precisar o número aqui. Como ano passado eles não declararam renda, e ficava difícil passar no filtro, eles se inscreveram como beneficiários e receberam os R$ 600, só que foram plotados, foram descobertos e, no nosso meio, quando alguém faz algo errado, o bicho pega. Então, vão devolver essa grana e vão sofrer, com toda certeza, uma punição disciplinar", afirmou. 

Uma decisão do Tribunal de Contas de União (TCU) também obrigou os militares acusados de receber irregularmente o auxílio emergencial a devolverem os valores aos cofres públicos. 

*Com Agência Brasil.