28 de janeiro de 2022
Campo Grande 29º 21º

"EMPURRA, EMPURRA"

Seleção a professores de arte: SED responsabiliza a SAD, que diz não ter recebido orientação da SED

Uma secretaria responsabiliza a outra após episódio de processo seletivo excludente à Teatro e Dança e com prova em preto e branco pedindo para analisar obra de arte colorida

A- A+

“Desrespeitoso processo seletivo por parte da SED e da Fapec”, assim é classificado por arte-educadores a prova para seleção de professores temporários de arte para atuar na Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul (REE), realizada em 15 de novembro pela Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (Fapec) em Campo Grande e Dourados. A SED, porém, disse que a responsabilidade da prova é da Secretaria de Administração e Desburocratização (SAD), que por sua vez, disse que não teve nenhuma orientação de que a prova para professores de arte deveria conter questões de teatro e dança

O processo visa selecionar professores temporários de arte para atuar em 2022. A prova tinha somente questões de Artes Visuais e 2 de Música (num total de 30 perguntas), ignorando as outras áreas de graduação das Artes Cênicas. Além disso, segundo os denunciantes, a prova em preto e branco pedia aos candidatos para analisarem obras de arte colorida. Eles não puderam levar suas cópias da prova para casa. A sequência de denúncias se espalhou pela internet, em que acusavam SED e Fapec de excluírem do processo os arte-educadores.  

As Universidades Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e Federal da Grande Dourados (UFGD) tem cursos de licenciatura que formam arte-educadores em Teatro e Dança, esses, dizem que em todo processo seletivo sua área de formação é esquecida. “Infelizmente, nada irá acontecer, eles não permitem a nossa reclamação. A nossa indignação não vale nada para essa instituição desonesta que só querem tirar proveito da situação. Eles podem errar como fez neste último edital, mas, só eles. Infelizmente a luta é em vão”, comentou uma professora. 

A reportagem falou com a Coordenadora de Ingresso e Seleção de Pessoal da SAD, que é também a presidente do Processo Seletivo, Carla Rouledo Moretti Leite. “O conteúdo programático é feito pela Organizadora [Fapec]. O que a gente coloca é que as questões que caírem tem que estar entre as citadas no Conteúdo Programático, mas não há nenhuma orientação da SED apontando que deve estar equiparado a divisão do conteúdo, não tem essa distinção”, argumentou. Questionada, se como foi feita a prova não acabaria por privilegiar apenas a área de artes visuais, Carla disse, novamente, que a SED não cobra nenhuma paridade de distribuição dos conteúdos. “A comissão da SAD não tem conhecimento prévio das questões da prova e a SED não emitiu nenhuma orientação de que deveria haver essa inserção de todos os conteúdos, ou uma paridade entre eles”, completou. 

Sobre a prova em preto e branco que cobrava que os candidatos fizessem análise de uma obra de arte “colorida”, Carla disse que entre esta quarta (17.nov) e amanhã (18.nov) é o prazo para recurso àqueles que se sentiram prejudicados em qualquer questão. “Qualquer questionamento o prazo de recurso está aberto entre hoje e amanhã. Basta o candidato entrar no ambiente de inscrição e fundamentar o pedido de recurso que será avaliado”, contou. A presidente do processo não soube explicar ao Portal qual é o prazo de resposta após o recurso ser enviado. “Isso está lá no edital”, finalizou. 

Apesar disso, o MS Notícias apurou que entre os itens de Recurso no Edital, não está citado um prazo para resposta ao requerente:  "3.13.7. O extrato contendo as decisões dos recursos interpostos pelos candidatos será dado a conhecer, coletivamente, por meio de edital próprio. Será possibilitado ao candidato consultar o parecer individual relativo ao seu recurso administrativo, por meio da área do candidato.", diz, sem definir um prazo. No quadro do cronograma também não há prazo estimado para resposta. A íntegra do Edital.  

A insatisfação dos profissionais se deu por conta da ausência de questões de Artes Cênicas, Teatro e Dança. Segundo os denunciantes, das quinze questões específicas contidas na prova, apenas duas englobam a Música, sendo que todas as outras doze questões eram referentes às Artes Visuais. “Infelizmente não temos voz, nos fazem de fantoche...”, comentou outra educadora. 

"É injusto, não tem outro termo que defina isso. A injustiça acontece quando lançam um edital prevendo profissionais e conteúdo de quatro linguagens [da arte] e na prova não cobram nenhuma questão da minha área de formação. Eu estudei para a prova, mas me formei em Teatro e com exceção das duas questões de Música, todo o restante da prova parece favorecer os graduados em Artes Visuais. Não é a primeira vez que isso acontece, mas como sempre, parece que a SED não considera as Artes Cênicas importantes o suficiente para serem cobradas como conteúdo de processo seletivo”, definiu outra arte-educadora.

A Associação Sul-Mato-Grossense dos Arte Educadores (Asmae), por meio da Presidente professora Vera Penzo, disse ao MS Notícias que receberam várias denúncias e aguardam uma reunião marcada para esta quinta (18.nov) para decidir se tomará alguma medida judicial. "Recebemos várias denúncias . A nossa Associação apoia totalmente as manifestações dos professores. Estamos esperando sair hoje o gabarito oficial e aí vamos ver se vão anular alguma questão [...]. É um desrespeito ao professor. Nós temos experiências aqui no Estado para além das Artes Visuais. Temos bons profissionais de teatro, dança, música, que precisam ser valorizados", disse. 

De acordo com a líder da Associação, a luta para que o Estado enxergue a importância da arte nas escolas é longa.  "Essa é uma luta de 30 a 40 anos... Só nossa Associação tem 37 brigando para que o Estado faça investimentos e coloque os professores de artes nas escolas. Falta muito investimento nisso", finalizou.