27 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

POLÊMICA

Bela Vista cobra resposta da Câmara sobre vereadora agredida por colega

Fabrizia Tinoco afirma que foi arrastada por Francisco Gutierres, líder do prefeito

O presidente da Câmara Municipal de Bela Vista, Demécio Takeshi Higa, o Xetinho, tem sobre sua mesa uma questão delicada e precisa solucioná-la com a maior rapidez, tendo em vista a pressão da sociedade. Trata-se da denúncia de agressão que a vereadora Fabrizia Tinoco (Podemos), de 47 anos, em que afirma ter sofrido do colega Francisco Leite Gutierres (PSDB) no último dia 13 de maio, dentro da Secretaria Municipal de Obras.

Em um vídeo gravado para relatar o fato, Fabrizia diz que primeiro a agressão foi verbal e depois teria sido arrastada com violência para fora da sala. “Ele grudou no meu braço com toda a força, me arrastou pelos cabelos e me jogou para fora da sala como se eu fosse um lixo”, relatou em vídeo. Em prantos, ela mostra no vídeo, hematomas em seu braço, que seriam marcas da agressão.

VEJA O VÍDEO 

RECLAMAÇÃO

Tudo começou quando Fabrizia à secretaria reclamar da demora na conclusão de uma obra. Foi confrontada pela engenheira responsável e começaram, a discutir. Gutierres – que é líder do prefeito tucano Reinaldo Piti - estava próximo e resolveu intervir quando os ânimos ficaram mais exaltados. Ele se exasperou quando Fabrizia disse que o atual secretário de Obras “não manda em nada”. Foi então que a levou à força para fora, de acordo com a vereadora.

Fabrizia saiu da secretaria e foi diretamente para a Delegacia de Polícia registrar um Boletim de Ocorrência e ao hospital para o exame de corpo de delito. Agora, avisa que não vai manter distância de Gutierres e evitará ficar perto dele até nas sessões da Câmara. “Eu não queria tornar isso público, porque a gente tem vergonha. Por isso que muitas mulheres apanham, sofrem violência, assédio moral e ficam caladas. Mas eu não farei parte dessa estatística”, enfatizou.

O vereador em Bela Vista - MS, Francisco Gutierres. Foto: Reprodução

Gutierres, que se gaba de ter sido policial militar por mais de 20 anos “combatendo todo tipo de violência”, entrou no mesmo dia com um pedido de apuração dos fatos dirigido ao presidente do Legislativo. No documento, fornece os nomes de quatro servidores da Secretaria de Obras que se dispuseram a servir de testemunhas.

REPERCUSSÃO

A repercussão negativa já atravessou os limites do Município e do Estado. Organizações de direitos humanos, entidades feministas e partidos políticos se manifestam cobrando providências da Câmara de Vereadores e também das autoridades bela-vistenses. A presidenta do PSD de Aquidauana, médica Viviane Orro, foi incisiva: “Milhares de mulheres são vítimas de violência em todas as formas diariamente. Uma violência que mata, estupra, tortura, fere e humilha.  Uma violência que acontece dentro da própria casa, no trabalho, em qualquer lugar. Ninguém está imune, a violência contra a mulher não tem cor, raça nem idade”.

Em seguida, Viviane expressa repúdio e desprezo “a este ser que, além de desrespeitar a mulher, desrespeita também a autoridade constituída”. E conclui: “Toda solidariedade à vereadora Fabrizia Tinoco. Vereadora, não aceite ser alvo da violência e da humilhação. Seus direitos são a sua razão. Faça de todo dia um dia de lutas e conquistas! Lute como uma mulher”!