25 de novembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

INVESTIGAÇÃO

JN revela que Jair Bolsonaro já tinha feito mudanças no GSI

As mudanças contradizem a versão de Bolsonaro que ele queria, e não conseguiu trocar 'segurança' da família e 'amigos'

Leia também

• Moro diz que Heleno, Braga Netto e Ramos viram Bolsonaro ameaçá-lo com demissão

• Advogado de Bolsonaro desconfia de Moro e diz que ex-ministro mente

• STF dá 72h para Planalto apresentar gravação citadas por Moro

• Ministro pede que gravação citada por Moro seja entregue em 72 horas

• Bolsonaro recorre ao STF para não entregar vídeo de reunião com Moro

• Acusações de Moro podem afetar candidatura do Brasil na OCDE

• Moro: Planalto deve alegar que vídeo é incompleto

• AGU quer entregar só a parte do vídeo em que Moro fala

• Com demissão de Moro, Bolsonaro agora considera indicar Aras ao STF

• Valeixo, Saadi e Ramagem depõem hoje no inquérito Moro contra Bolsonaro

• Advogados de Moro negam conteúdo 'sensível' e pedem divulgação de vídeo

• Bolsonaro recua e admite ter falado 'PF' em reunião citada por Moro

O presidente Jair Bolsonaro (sem-partido) já havia trocado o chefe de segurança no Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o promovendo, revelou na noite desta 6ªfeira (15.maio), o Jornal Nacional. A exclusiva revela então, que de nenhum modo, Bolsonaro poderia estar falando da sua segurança pessoal no vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, no qual alega que não pediu a troca no comando da Polícia Federal, mas sim, falava da segurança de sua família. 

As argumentação de Bolsonaro não faz sentido, até mesmo o texto da sua defesa, Advocacia Geral da União (AGU), já o contradisse, pois segundo o presidente, ele não havia falado na reunião as palavras “Polícia Federal” ou “Superintendência do Rio”, porém, conforme parte da transcrição feita pela AGU, Bolsonaro disse sim ‘PF’, além de falar em proteção da sua ‘família, parentes e amigos’. 

Acontece que mesmo que estivesse falando do GSI, Bolsonaro está equivocado, já que o GSI não é para fazer segurança de seus “amigos”, apenas do “presidente, e família”, “vice-presidente, e família”, e prédios da presidência. 

Para que tudo isso fosse cumprido, não seriam necessárias mudanças na Polícia Federal, apenas deveria Bolsonaro, convocar Augusto Heleno e solicitar as mudanças, e não Sérgio Moro, a qual a PF era subordinada. Desse modo, entende-se que, Bolsonaro não estava falando do GSI no vídeo, e sim da Polícia Federal, onde afirmou também em vídeo, que iria interferir. 

Na manhã desta sexta-feira, Bolsonaro afirmou novamente que estava se referindo à "segurança familiar":

— Eu espero que a fita se torne pública para que a análise correta venha a ser feita, tá? A interferência não é nesse contexto da inteligência não, é na segurança familiar. É bem claro, segurança familiar. Eu não toco PF e nem Polícia Federal na palavra segurança.