22 de abril de 2021
Campo Grande 29º 18º

'ESTÁ TUDO CARO'

Inflação 'explode' no Brasil, é a mais alta dos últimos 5 anos

Os preços de produtos importantes na cesta das famílias subiram

A- A+

Os brasileiros amanheceram nesta 3ª-feira (8.dez.2020), com a confirmação do que vinham sentindo nos bolsos, a alta na inflação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação de novembro ficou em 0,89%, alimento e combustível são itens que elevaram a estimativa. Em 2015 a inflação atingiu 1,01%.

Os dados acima apresentados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que acumulou alta de 3,13% e, em 12 meses, de 4,31%, o que significa que é maior do que os 3,92% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2019, o indicador havia ficado em 0,51%.

Conforme o IBGE, faltando um mês para o fechamento do ano e com o acumulado de 4,31% em 12 meses, a inflação está dentro da meta do governo e próxima ao centro da meta, atualmente estipulada em 4,0%, com margem de 1,5% de tolerância, para mais ou para menos.

Os preços de produtos importantes na cesta das famílias subiram, como o arroz (6,28%) e o óleo de soja (9,24%). Após as altas, o grupo de alimentos e bebidas variou 2,54%. Outras variações positivas foram da cerveja (1,33%) e do refrigerante e água mineral (1,05%) consumidos fora do domicílio. Esses dois produtos tinham registrado queda em outubro.

A segunda maior influência no índice de novembro foi o grupo de transportes, que teve alta de 1,33%. Neste caso, segundo a pesquisa, a inflação do grupo foi causada pelo aumento no preço da gasolina (1,64%). E a sexta alta consecutiva da gasolina, além da alta de 9,23% do etanol.

O IPCA abrange as famílias com rendimentos de 1 a 40 salários-mínimos, qualquer que seja a fonte, residentes nas áreas urbanas das regiões de abrangência do Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor (SNIPC), que são as regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís e Aracaju.

A pesquisa indicou ainda que houve elevação de preços em todas as 16 regiões pesquisadas no IPCA. O resultado mais alto foi em Goiânia (1,41%), que sofreu grande impacto da variação positiva das carnes (9,11%) e da energia elétrica (3,69%). O menor foi registrado em Brasília (0,35%), ajudado pela queda nos preços da gasolina (-0,68%).