13 de junho de 2024
Campo Grande 23ºC

Prévia da inflação em dezembro fica dentro da meta em 12 meses, diz IBGE

A- A+

O IPCA 15 ( Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15) teve variação de 0,79% em dezembro e mais que dobrou em relação ao avanço de 0,38% em novembro, de acordo com o G1.

Com isso, o IPCA-E, que é o IPCA-15 acumulado em 12 meses, fechou o ano em 6,46%, acima de 2013, que foi 5,85%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em dezembro de 2013, a variação do IPCA-15 havia sido de 0,75%.

Os grupos que mais puxaram a alta foram da alimentação e bebidas, com avanço de 0,94%. Também exerceu  forte pressão os preços dos transportes sobre o índice, com alta de 1,59%. Juntos, os dois grupos tiveram impacto de 0,52 pontos percentual sobre o IPCA-15.

O item passagens aéreas foi destaque, com aumento de 42,42% e 0,19 ponto percentual, o principal impacto do mês. Com a expressiva alta de dezembro, as passagens aéreas saíram de uma queda de 24,78% acumulada para fechar o ano com alta de 7,13%, pouco acima do IPCA-15.

A gasolina (2,15% e 0,08 p.p.) também sofreu alta significativa, refletindo, nas bombas, o reajuste de 3,00% em vigor desde 07 de novembro.

No grupo dos alimentos, a carne subiu 4,02%, sendo que em Salvador a alta atingiu 7,83% e em Goiânia, 7,81%. Outros itens importantes também ficaram mais caros em dezembro, como batata-inglesa (27,20%), cebola (9,83%) e refeição fora de casa (1,37%).

A energia elétrica exerceu a maior pressão sobre o grupo habitação, com alta de 0,71%. O aumento foi de 1,54% nas contas, em decorrência, principalmente, da variação de 9,85% na região metropolitana do Rio de Janeiro. No ano, a alta atingiu 17,14% e as despesas com habitação subiram 8,76%, a mais elevada variação de grupo.

Regiões

As cidades de Goiânia (1,33%) e Rio de Janeiro (1,32%) tiveram os maiores índices regionais. Na primeira, a pressão veio dos alimentos consumidos no domicílio (3,87%), impulsionados pelas carnes, que subiram 7,81%, além dos combustíveis (4,24%).

No Rio, o maior resultado do mês decorreu da energia elétrica (9,85%), que refletiu o reajuste de 17,75% em uma das concessionárias, em vigor desde 7 de novembro. O menor índice foi o de Recife (0,37%), onde os alimentos subiram 0,03%, bem abaixo da média desse grupo para o país (0,94%).

Tayná Biazus