17 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

IMPUNIDADE

24 anos se passaram: Tyson diz que se sente culpado pela morte de Tupac

O ex-pugilista passou a descrever Tupac como "uma força descontrolada"

O pugilista Mike Tyson afirmou nesta semana que se sente culpado pela morte do rapper Tupac Shakur, que aconteceu em 1996, quando o rapper foi á Las Vegas assistir uma luta de Tyson contra Bruce Seldon, ocasião em que Tupac foi assassinado. "Eu me senti um pouco culpado por ele ter vindo para a luta, eu o pressionando: 'Ei, você quer trazer a fita, não se esqueça da fita'", acrescentou.

Tupac morreu em setembro de 1996, depois de ser baleado quatro vezes em um carro em Las Vegas. No veículo também estava Suge Knight, produtor musical e dono da gravadora Death Row Records. Uma confusão antecedeu o tiroteio, mas para Tyson, tudo foi planejado. "Eu nunca disse isso antes, mas acho que foi tudo planejado com antecedência", disse Tyson. "Acredito que a luta foi a oportunidade para isso acontecer.", observou.  

Tyson ainda contou que, depois da luta, planejava se juntar ao rapper na boate onde Shakur foi baleado, mas disse que mudou seus planos porque seu filho havia nascido e ele decidiu voltar para a casa de sua família. "Foi um dia muito ruim quando isso aconteceu. Foi muito ruim", disse em entrevista ao canal no YouTube TV Vlad.

O ex-pugilista passou a descrever  Shakur  como "apenas uma força". "Ele era apenas uma força descontrolada e esse era o problema", disse ele. "Ele era poderoso e ele apenas - ninguém poderia controlá-lo."

Até hoje não é bem claro quem matou Tupac, a polícia de Las Vegas encerrou o caso após testemunhas do crime afirmarem que a morte ocorreu após Tupac brigar com um cara chamado Orlando “Baby Lane” Anderson, que depois disso se juntou com amigos e juntos praticaram o crime contra o artísta, porém, até mesmo tendo confessado isso em um documentário disponível na Netflix chamado "Unsolved", nada posterior foi feito pela polícia.  

Kyle Long, o produtor executivo do documentário, acredita que a polícia deveria reabrir a investigação após a confissão de Keefe. “Ele confessou ter sido uma testemunha de assassinato à frente de câmeras e a polícia de Las Vegas, até onde eu sei, não está fazendo nada sobre isso,” comentou. “É ultrajante”.