11 de abril de 2021
Campo Grande 33º 22º

FLORDELIS

Flordelis paga R$ 93 mil a empresa que monitora redes sociais sem conteúdo

A deputada Flordelis (PSD – Rio de Janeiro), que é acusada de mandar matar o marido, repassou R$ 93 mil a uma empresa responsável por monitorar suas redes sociais. O curioso é que todos os links das contas que eles estão encarregados de fazer publicações não têm conteúdo nem seguidores.

A empresa em questão é a G3 Propaganda, cujo sócio administrador é Pedro Gerolimich, que até o mês de agosto era superintendente de Leitura e Conhecimento da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro. O contrato foi feito com a cota parlamentar de Flordelis de março a outubro desse ano.

As notas fiscais acusam serviços de divulgação do mandato da deputada, além de monitoramento, comunicação e manutenção do Facebook e Instagram oficiais dela. As páginas oficiais de Flordelis nas redes sociais têm milhares de seguidores, mas as que são responsabilidade da G3 contam com pouco mais de 100.

A empresa em questão é a G3 Propaganda, cujo sócio administrador é Pedro Gerolimich, que até o mês de agosto era superintendente de Leitura e Conhecimento da Secretaria de Cultura do Rio de Janeiro. O contrato foi feito com a cota parlamentar de Flordelis de março a outubro desse ano.

As notas fiscais acusam serviços de divulgação do mandato da deputada, além de monitoramento, comunicação e manutenção do Facebook e Instagram oficiais dela. As páginas oficiais de Flordelis nas redes sociais têm milhares de seguidores, mas as que são responsabilidade da G3 contam com pouco mais de 100.