19 de maio de 2024
Campo Grande 20ºC

A "JANELA ABERTA" DE CLIO

Veteranos reeditam programa de crônicas que marcou época na radiofonia pantaneira

Amigos procuram depoimentos de familiares e pessoas que tiveram, de alguma forma, relações afetivas ou profissionais com Clio Proença

A- A+

Admir Lobo (com A mesmo), Gino Rondon e Edson Moraes, amigos e remanescentes da saudosa radiofonia da Corumbá e Ladário dos anos 1970, preparam um belo presente de final-de-ano para os corumbaenses, ladarenses e pantaneiros. O trio, apesar das distâncias — Rondon e Moraes em Campo Grande (MS) e Lobo em Cuiabá (MT) — vai lançar nos próximos dias um programa de crônicas inspirado no "Janela Aberta Para a Cidade". Este era o título de um programa cujos textos eram escritos por Clio Proença e apresentados por J. Aguilar, dois dos maiores ícones do rádio e da cultura na região.

A ideia inicial é usar o nome original do programa. Mas isto só depois de saber se não existe qualquer impedimento jurídico, familiar ou de outra natureza.

Lobo, de 73 anos; Gino, de 69; e Moraes, de 67, iniciaram suas carreiras radiofônicas em Corumbá, onde nasceram. Um de seus mestres nos microfones e nas letras foi o professor de História, poeta, compositor e vereador Clio Proença. Ele marcou sua inspirada presença em obras e competições nacionais de poesia e fez várias músicas, entre as quais a emblemática "Cantiga de Amor a Corumbá", um antológico sucesso de temática regional gravado por Ítalo Nascimento.

O programa, em sua nova versão, será levado ao ar nos horários dos radialistas Jonas de Lima (Rádio Fronteira AM) e Joel de Souza (Rádio FM Pantanal), emissoras de Corumbá.

O trio de amigos está procurando depoimentos de familiares e pessoas que tiveram, de alguma forma, relações afetivas ou profissionais com Clio Proença. Entre elas estão os sobrinhos Joaquim Eugênio e Urbano e a professora de dança Sonia Ruas Rolón, que na pré-adolescência chegou a fazer o "Janela Aberta Para a Cidade", lendo no rádio as crônicas do poeta, assim como J. Aguilar.

Moraes disse ao MS Notícias que caso alguém queira depor ao projeto pode telefoná-lo ou mandar mensagem no número: +55 67 9163-0107.