22 de maio de 2024
Campo Grande 24ºC

INTERIOR

Trupe circense que dançou de sunga para crianças foi multada em R$ 47 mil

Responsável disse que não sabia da legislação sul-mato-grossense

A- A+

Carlos Eduardo Lyrio, o responsável pela apresentação do 'Show do Cupido' realizada no domingo (12.mar.23), em que um ator é visto dançando de sunga para crianças em Amambai (MS), acabou multado em R$ 47 pela Polícia Militar Ambiental (PMA). A multa, foi em razão de a trupe do Circo Mundo Mágico Espacial usar cobras como atração. Esse texto original saiu no TeatrineTV.  

Antes da polêmica da apresentação do domingo, entretanto, o espetáculo já havia passado por outras cidades de MS, mas nenhum animal havia sido apreendido.

O QUE ACONTECEU?
  • A trupe do Circo Mundo Mágico Espacial fez um show em Amambai e foi ameçada de morte, após uma digital influencer incitar ataques à apresentação, considerada inadequada para crianças;
  • A prefeitura de Amambai disse ter sido enganada e que o show continha cenas de cunho sexual;
  • A trupe disse que a prefeitura foi negligente e que o espetáculo continha aviso de classificação indicativa não indicada para menores de 12 anos;
  • A Funarte não confirmou que a trupe é apoiada pelo ente ligado ao Ministério da Cultura.
  • Veja o que publicamos antes sobre a trupe.

A APREENSÃO DAS COBRAS

Os Policiais Militares Ambientais de Amambai disseram que tomaram conhecimento nesta 2ª.feira (13.mar.23), que o circo instalado na cidade estaria utilizando animais como atrativos nas apresentações. 

Diante disso, a equipe da PMA foi ao local e encontrou duas serpentes, sendo uma da espécie Boa constrictor (jiboia) com aproximadamente 1,2 metro de comprimento e outra exótica da espécie Phyton molurus bivitattus (píton), com 1 metro de comprimento.

Carlos afirmou que não sabia da proibição de uso dos animais nas apresentações em Mato Grosso do Sul. A proibição foi disposta pela lei Estadual 3.642/2009, a qual proíbe o uso de qualquer tipo de animal como atrativo.

A lei dispõe: “Art. 1º Fica proibida, em todo o território do Estado de Mato Grosso do Sul, a apresentação de espetáculo circense ou similar que tenha como atrativo a exibição de animais de qualquer espécie. Art. 2º Para os efeitos desta Lei, consideram-se animais os seres irracionais, quadrúpedes ou bípedes, domésticos ou selvagens, nativos ou exóticos”. De qualquer forma, nenhuma das serpentes tinha documentação, inclusive, a jiboia que se trata de animal silvestre nativo.

Os animais foram apreendidos e encaminhados ao Centro de Animais Silvestres (CRAS) em Campo Grande.

Carlos vive em Vila Velha (ES) e disse à PMA que ganhou as serpentes domésticas há 3 anos de um amigo, também proprietário de circo no Espírito Santo.

Além da multa, Carlos responderá por crime ambiental de introduzir espécime no país sem autorização, por causa da serpente exótica, com pena de três meses a um ano e por manter animais silvestres ilegalmente em cativeiro, pela jiboia, com pena prevista de seis meses a um ano de detenção.

O responsável pelo circo falou brevemente sobre a apreensão das cobras. "As cobras são chipadas, porém realmente não estávamos a par da lei regimentar do estado".