19 de junho de 2024
Campo Grande 22ºC

EXTREMISTAS DE DIREITA

Bolsonaristas choram derrota na tentativa de impedir auxílio ao RS

Tereza Cristina dá tiro no próprio pé ao atacar Lula por fazer o que ela fez: importar arroz em situação de emergência

A- A+

Foi em vão a manobra alucinada de Jair Bolsonaro e seus seguidores na tentativa de impedir o governo do presidente Lula de importar arroz e abastecer as populações afetadas pelas inundações no Rio Grande do Sul. Na manhã de ontem (quinta-feira, 06), o presidente do Tribunal Federal Regional da 4ª Região (TRF4), Fernando Quadros da Silva, derrubou a liminar do juiz substituto Bruno Risch Fagundes de Oliveira, que atendeu uma solicitação dos deputados bolsonaristas Marcel van Hattem (Novo-RS) e Lucas Redecker (PSDB-RS) e suspendeu o leilão de arroz anunciado pelo governo Lula.

Além de Van Hattem e Redecker, a senadora e ex-ministra Tereza Cristina (PP/MS) também integra o pelotão bolsonarista que investe de todas as formas na tentativa de desestabilizar a gestão de Lula. Nesta ação, os bolsonaristas alegaram ser desnecessária a importação e que a compra do alimento prejudicaria os produtores brasileiros. Porém, o açodamento inescrupuloso de algumas dessas tentativas barra a sensatez e revela toda a pérfida maquinação política.

Tereza Cristina se esquece (por conveniência ou lapso de memória) que em 2020, quando era ministra da Agricultura no governo de Bolsonaro, ela conduziu todo o processo de importação de 400 mil toneladas de arroz. Na ocasião, nenhuma voz do agro ou da bancada governista levantou-se contra o que hoje atacam ferozmente, deixando de lado a grave situação de emergência num desabastecido Rio Grande do Sul.

TIRO NO PÉ

Com a decisão do TRF-4, perdem Bolsonaro e seus fiéis e ganham os gaúchos que precisam garantir seu direito à alimentação sem politicagem para atrapalhar. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) está liberada para fazer o leilão para compra de 300 mil toneladas de arroz, suprindo a demanda do alimento e evitando disparada dos preços, visto que o Rio Grande do Sul é o maior produtor. 

Na decisão, o presidente do TRF4, Quadros da Silva, ainda detona a politicagem dos representantes do bolsonarismo que agiram em conluio com ruralistas para atacar o governo Lula. "Assevera que as políticas públicas são realizadas no interesse coletivo ou geral, a partir do planejamento administrativo que privilegia não apenas um seguimento específico ou uma unidade da federação determina, por exemplo, mas toda a sociedade brasileira, afigurando-se lesiva à ordem pública administrativa e a ordem judicial em análise", afirmou Silva.

A senadora Tereza Cristina e seus dois parceiros, bolsonaristas de quarteladas políticas, não aceitam que a intenção do governo Lula é fazer com que este alimento básico não falte na mesa de quem precisa. Trata-se de um oposicionismo tão obsessivo que além de atropelar o bom-senso ainda minimiza a dor de centenas de milhares de pessoas.

As 300 mil toneladas de arroz importadas serão vendidas em pacotes de 5kg, como as marcas comerciais, e teriam valor tabelado: R$ 20, ou seja, R$ 4 o quilo. Nas embalagens, em vez de frases políticas promocionais, tais como “Brasil acima de tudo”, apenas as etiquetas com as logomarcas dos órgãos do governo federal responsáveis pela distribuição.