24 de julho de 2024
Campo Grande 31ºC

DIREITOS HUMANOS

Com Vander, Itaipu assina contrato para corrigir falta de água em aldeias de MS

Mais de 24 mil indígenas em oito aldeias do estado serão beneficiados pelas obras

A- A+

Campo Grande, 21 de junho de 2024 – A Itaipu Binacional, representada pelo diretor-geral brasileiro Enio Verri, assinou nesta sexta-feira uma ordem de serviço para a ampliação e melhoria dos sistemas de abastecimento de água em diversas aldeias de Mato Grosso do Sul. O investimento de R$ 60 milhões resulta de uma parceria entre a empresa e o Governo do Estado, solicitada pelo deputado federal Vander Loubet (PT-MS).

Mais de 24 mil indígenas em oito aldeias do estado serão beneficiados pelas obras, que abrangem as aldeias Amambai e Limão Verde (Amambai); Tey Kuê (Caarapó); Taquara (Juti); Porto Lindo (Japorã); Pirajuí (Paranhos); e Sassoró e Jaguapiré (Tacuru).

O coordenador do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei-MS), Lindomar Terena, identificou a necessidade de melhorar o saneamento nas aldeias e apresentou a Vander Loubet uma proposta de programa para fornecer água potável às comunidades indígenas. Em novembro, Loubet organizou uma audiência com Enio Verri em Foz do Iguaçu (PR) para discutir o projeto com técnicos da saúde indígena.

“A partir de 2023, com o retorno do presidente Lula e a posse do Enio na Itaipu, a empresa ampliou sua política de investimentos socioambientais. E foi dentro dessa ampliação que buscamos o apoio da Itaipu para financiar a melhoria do acesso à água potável para nossos parentes indígenas”, explicou Loubet.

PARCERIA E INVESTIMENTOS

Na audiência de novembro, Verri autorizou a formalização do projeto, garantindo R$ 45 milhões para o abastecimento de água nas aldeias. Em seguida, a equipe procurou o Governo do Estado para ampliar a parceria. O governador Eduardo Riedel demonstrou apoio à causa e destacou servidores da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) para realizar os levantamentos preliminares e estudos técnicos necessários. Riedel também garantiu um aporte de R$ 15 milhões, totalizando R$ 60 milhões para o projeto.

As obras serão realizadas pela Sanesul, com supervisão do Dsei. O engenheiro Rafael Ceccim explicou que várias intervenções serão feitas para melhorar o abastecimento de água nas aldeias. “Algumas famílias não têm ligação de água. Para essas, vamos providenciar a ligação. E temos aquelas residências que têm ligação, mas onde a água não chega de forma suficiente. Então, as obras vão abranger manutenção e melhorias nos poços existentes, perfuração de mais poços, redimensionamento da rede, estações elevatórias, melhoria e aumento da reservação e substituição de ligações”, detalhou Ceccim.

Para Lindomar Terena, que cresceu na Aldeia Cachoeirinha, em Miranda, e conhece bem a falta de saneamento básico para os indígenas, o projeto representa um avanço significativo na qualidade de vida para os povos originários. “É uma emoção muito grande, como indígena e atual coordenador do Distrito, contribuir com esse projeto e ver essa ação sair do papel para ajudar meus companheiros”, afirmou.

O deputado Vander Loubet destacou que essa é apenas a primeira etapa de um trabalho mais amplo para levar água potável às comunidades indígenas. “Queremos levar saneamento a todas as aldeias do nosso estado. Por isso, já estamos buscando recursos pelo Governo Federal e pelo Governo do Estado para avançar nessa pauta”, concluiu.