04 de maro de 2021
Campo Grande 32º 22º

SAÚDE

"Anemia falciforme não é rara", protesta portadora da doença

Conforme leitores, falta de informação e políticas públicas dificulta tratamento

Leia também

• Jovem jornalista morre após ser internada em SP para tratar doença

Após vitimar Letícias Alves, no auge de seus 23 anos, que morreu na tarde de domingo (23), após ser internada no Hospital Adventista de São Paulo, em decorrência de uma crise. A doença de anemia falciforme, a qual Letícia era portadora, trouxe para debate a decisão do Ministério da Saúde, ao considerar a doença rara, no entanto conforme portadores da doença, números atualizados comprovam que a doença é comum entre os brasileiros. 

Segundo  dados atualizados, a doença já é considerada comum no Brasil, ainda, que segundo dados do Hospital Albert Einstein, a doença conste como "rara". Com isso o MS Notícias noticiou: "Jovem jornalista morre após ser internada em SP para tratar doença rara". A matéria gerou muitos pedidos para que o título fosse alterado em prol da conscientização, que está em acordo com os dados apresentados pelo Ministério da Saúde do Brasil.  

Segundo os dados,  a anemia falciforme, somente na Bahia, de 650 nascidos 1 é portador da anemia falciforme. Para cada 17 nascidos, 1 apresenta traços da doença. 

Ainda segundo levantamento, em 19 de Junho de 2008, foi instituída pela Organização das Nações Unidas, o Dia Mundia de Conscientização a anemia falciforme. 

Ainda segundo, levantamento realizados por Mara Dias, que é portadora de anemia falciforme. A doença ser considerada rara dificulta. "O acesso de milhares de pessoas aos cuidados que elas precisam?", escreveu a leitora.  

"Eu sou uma pessoa com Doença Falciforme e já estou sendo atingida pelos efeitos desse ato, já que, depois de admitir anteriormente que a doença falciforme é comum no Brasil, o ministério da Saúde, comandado por esse novo governo, absurdamente a classificou como rara. Estamos lutando para mudar isso, só nós sabemos como já não temos quase nenhuma política pública que nos garanta uma qualidade de vida convivendo com a Doença (mesmo sendo de nosso direito), e já sabemos os efeitos que essa classificação irá nos trazer: ficaremos de escanteio, ainda mais invisibilizados, ainda mais esquecidos, e será nos tirados o pouco que conquistamos com muito suor e sofrimento depois de décadas do descobrimento da Doença", escreveu ao site.

SOBRE 

A doença falciforme é uma doença crônica, genética e hereditária, ela é caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, que assume o formato de meia lua ou de foice, por isso tem esse nome, falciforme. Seus principais sintomas são: anemia, icterícia (olhos amarelos), dores e inchaços articulares, infecções frequentes, úlceras, perda de visão e orto necroses.