06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

Homicídios de mulheres em Mato Grosso do Sul registrou queda em dez anos

Homicídios de mulheres em Mato Grosso do Sul registrou queda de 0,1% em dez anos. Conforme estudo divulgado nesta segunda-feira (9) pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, chamado Mapa da Violência, entre 2003 e 2013, para cada 100 mil mulheres, 20 mil foram vítimas de homicídio no Estado. 

Outro indicador do Mapa, é que houve aumento de 54% na taxa de homicídio de mulheres negras no Brasil no mesmo período de 2003 a 2013. De 1.864, em 2003, o número saltou para 2.875, em 2013. Enquanto, no mesmo período, o número de homicídios de mulheres brancas caiu 9,8%.

Ainda de acordo com Mapa, a maioria dos casos de violência contra mulher acontece no universo doméstico e 33,2% dos agressores são parceiros ou ex-parceiros. Conforme dados do Ministério da Saúde, em 2013, 50,3% das mortes violentas de mulheres foram causadas por familiares.

Sobre a idade das vítimas, o Mapa da Violência aponta baixa incidência até os 10 anos de idade, crescimento até os 18 e 19 anos, e a partir dessa idade, uma tendência de lento declínio até a velhice.

O país tem taxa de 4,8 homicídios para cada 100 mil mulheres, a quinta maior do mundo, conforme dados da Organização Mundial da Saúde que avaliaram um grupo de 83 países, informou a Flacso.

O Mapa da Violência é um trabalho desenvolvido pelo pesquisador Julio Jacobo Waiselfisz que, desde 1998, já divulgou 27 estudos. Todos eles, segundo a Flacso, trabalharam a distribuição por sexo das violências, sejam suicídios, homicídios ou acidentes de transporte, mas em 2012, dada a relevância do tema e as diversas solicitações nesse sentido, foi elaborado o primeiro mapa especificamente focado nas questões de gênero.

Homicídios de Mulheres no Brasil

De 1980 a 2013, foram vítimas de assassinato 106.093 mulheres. Entre 2003 e 2013, o número de vítimas do sexo feminino passou de 3.937 para 4.762, incremento de 21,0% na década.

Segundo o Mapa da Violência, diversos estados evidenciaram “pesado crescimento” na década, como Roraima, onde as taxas de homicídios femininos cresceram 343,9%, ou Paraíba, onde mais que triplicaram (229,2%). Entre 2006, ano da promulgação da Lei Maria da Penha, e 2013, apenas em cinco estados registraram quedas nas taxas: Rondônia, Espírito Santo, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro.

Vitória, Maceió, João Pessoa e Fortaleza encabeçam as capitais com taxas mais elevadas no ano de 2013, acima de 10 homicídios por 100 mil mulheres. No outro extremo, São Paulo e Rio de Janeiro são as capitais com as menores taxas. Campo Grande apresenta índice de cinco mil casos para cada 100 mil mulheres.