06 de maro de 2021
Campo Grande 28º 19º

Zika vírus

Ministério da Saúde registra 3.530 casos suspeitos de microcefalia relacionados ao Zika vírus

Leia também

• Casos de Zika Vírus são monitorados e Dourados registra 10 casos de microcefalia

• Aumenta número de casos suspeitos de microcefalia, aponta o primeiro boletim de 2016

O Ministério da Saúde divulgou novo balanço do número de casos de microcefalia relacionados ao Zika vírus no Brasil. Conforme dados apresentados nesta terça-feira (11), estão em investigação 3.530 casos registrados em 724 municípios de 21 unidades da federação. Houve ainda confirmação de quatro óbitos provocados por microcefalia relacionada ao vírus. Todos foram registrados no Rio Grande do Norte.

Os casos suspeitos da doença em recém-nascidos são computados desde o início das investigações (em 22 de outubro de 2015) até 9 de janeiro deste ano. Também estão em investigação 46 óbitos de bebês com microcefalia possivelmente relacionados ao vírus Zika, todos na região Nordeste.

O estado de Pernambuco, o primeiro a identificar aumento de microcefalia, continua com o maior número de casos suspeitos (1.236), o que representa 35% do total registrado em todo o país. Em seguida, estão os estados da Paraíba (569), Bahia (450), Ceará (192), Rio Grande do Norte (181), Sergipe (155), Alagoas (149), Mato Grosso (129) e Rio de Janeiro (122). Mato Grosso do Sul apresenta apenas três casos suspeitos.

VÍRUS ZIKA – Atualmente, a circulação do Zika é confirmada por meio de teste PCR, com a tecnologia de biologia molecular. A partir da confirmação em uma determinada localidade, os outros diagnósticos são feitos clinicamente, por avaliação médica dos sintomas.

Até o momento, estão com circulação autóctone do vírus Zika 20 unidades da federação. São eles: Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

ORIENTAÇÃO – O Ministério da Saúde orienta as gestantes adotarem medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doença, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.