26 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

Isolamento

Mulher lamenta morte de marido por coronavírus após ser contra isolamento

Viúva se mudou para uma granja da família junto com o filho de 10 anos

No dia 30 de abril, Marco Cirino da Cunha, de 57 anos foi mais uma vítima do novo coronavírus e que entrou nas estatísticas na Paraíba, que soma 85 mortes pela doença. Ele deixou a esposa Silvana Cunha, que era contrária a recomendação de ficar em casa por conta da pandemia.

Em vídeo reproduzido pela TV Globo, a mulher diz ter repensado na situação após a perda do marido e reforçou o apelo para ficarem em casa. “Há 15 dias, eu escutava essas palavras ‘fique em casa’ e até cheguei a zombar. Cheguei na loja e fiz um vídeo dizendo ‘fique em casa, mas quem vai pagar nossas contas no final do mês?’. Hoje eu digo, ‘fique em casa'”, disse a dona de uma vidraçaria.

Depois da morte de Marco, Silvana decidiu fechar o estabelecimento e está instalada em uma granja da família com seu filho. Eles foram testados para saber se não foram infectados, mas os dois resultados deram negativos.

“Essas palavras ‘fique em casa’ são muito pesadas para mim hoje, porque eu não fiquei em casa, meu marido não ficou e infelizmente faleceu. Ontem eu senti o peso delas mais ainda, quando cheguei e meu filho olhou para mim: ‘mãe, você salvou meu pai?’ E eu apenas disse que não”, lamentou.

O marido de Silvana começou a ter sintomas do Covid-19 no dia 15 de abril quando teve tosse seca e falta de ar e ao ser levado para uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) foi inicialmente diagnosticado com pneumonia. Entretanto, no dia 22 ele sofreu novamente faltar de ar e chegou a desmaiar, sendo encaminhado para o Hospital da Polícia Militar General Edson Ramalho, em João Pessoa.

No hospital, Marco realizou os exames e testou positivo para a doença e ficou entubado, posteriormente sendo transferido para o Hospital Metropolitano de Santa Rita, onde veio a falecer. Ele tinha diabetes e doença cardiovascular como comorbidades. “Esse vírus humilha os seres humanos, porque ele nos faz sentir inválidos diante da situação. Nem um ‘Pai Nosso’ deixaram eu fazer para ele”, lamentou a viúva.