16 de maio de 2022
Campo Grande 21º 13º

TECNOLOGIA | INOVAÇÃO

Pesquisa e tecnologia: programas e investimentos no desenvolvimento tecnológico

A- A+

O assunto desenvolvimento científico e ensino superior sempre foi algo complicado no Brasil, visto que todo desenvolvimento tecnológico e científico depende de investimentos públicos e fomento para a sua realização.

É claro que parcerias entre universidades, instituições de ensino e a iniciativa privada é possível. Contudo, esta não é a regra, de modo que os pesquisadores brasileiros dependem quase que inteiramente do governo e do poder público para a realização de suas pesquisas.

Isso levanta sempre calorosos debates, tanto no poder público quanto na sociedade em geral, em relação às prioridades para o investimento de verba pública.

Portanto, a falta de investimento público e fomento financeiro, característicos de um quadro de recessão econômica é um dos maiores problemas de pesquisa no TCC e na pós-graduação, de maneira quase que unânime.

Nos últimos anos, por exemplo, diversos cortes no campo da pesquisa, como na CAPES, resultaram na perda de bolsa de vários pesquisadores e consequente interrupção de diversas pesquisas.

No entanto, olhando para os acontecimentos positivos no campo do desenvolvimento científico e técnico, na reportagem de hoje veremos alguns projetos, iniciativas e investimento público no nosso estado.

2ª EDIÇÃO DO PROGRAMA CENTELHA NO MATO GROSSO DO SUL

Primeiramente é essencial começarmos pelo Programa Centelha, sua aplicação e resultados no estado do Mato Grosso do Sul.

Como vimos acima, um dos problemas para pesquisa científica geralmente é a falta de investimento e de verba para a realização de projetos e o pagamento dos pesquisadores públicos.

Contudo, o Programa Centelha é um dos exemplos de que o investimento público traz retornos sem iguais para o desenvolvimento tecnológico e econômico do estado. Mas o que é exatamente o Programa Centelha e qual a sua finalidade?

De acordo com a própria página do Programa Centelha e também de acordo com a plataforma do estado do Mato Grosso do Sul, este programa visa incentivar a criação de empreendimentos inovadores e também incentivar a cultura empreendedora no estado.

Este programa é resultado de uma iniciativa de diversos órgãos públicos, como o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, o CNPq, a Confap e a Finep.

Todos estes órgãos atuaram financeiramente neste projeto, visando estimular o desenvolvimento na área do empreendedorismo e das inovações em todo o estado.

Como é possível constatar na plataforma do Programa Centelha, até o momento já foram:

  • 564 ideias submetidas ao programa
  • 1363 empreendedores capacitados
  • 30 startups apoiadas pela iniciativa

Através destes dados é possível observar a importância do investimento por parte do poder público em projetos relacionados à inovação tecnológica e científica.

PACOTE DE INVESTIMENTOS EM PESQUISA CIENTÍFICA NO ESTADO

Além do investimento público em áreas como o empreendedorismo e a inovação tecnológica, o estado do Mato Grosso do Sul ainda foi contemplado com um grande pacote de investimentos na área de pesquisa e desenvolvimento científico, recentemente.

Este fomento é de suma importância, pois junto com o investimento na inovação e no empreendedorismo, a tendência é que novos projetos e novas ideias surjam do estado do Mato Grosso do Sul e possam ser empregadas por todo o território nacional.

Conforme reportagem publicada na plataforma Campo Grande News, onze projetos distintos foram idealizados em áreas como:

  • Sustentabilidade
  • Indústria
  • Agronegócio

Ainda, o investimento em pesquisas na área de sustentabilidade é ideal, pois a base deste campo do conhecimento é minimizar os impactos no solo e no ambiente, visando obter produtividade por mais tempo, tendo em vista que o solo conservado é produtivo por um período de tempo maior do que o solo danificado e pobre em nutrientes.

Ao todo foram investidos cerca de 30 milhões de reais no estado nas áreas mencionadas acima em um projeto denominado MS + Ciência.

De acordo com o presidente da Fundect, Márcio de Araújo Pereira, quando se investe em ciência e tecnologia, se está investindo em desenvolvimento.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como vimos inicialmente, a ciência e a tecnologia dependem, majoritariamente, do investimento da esfera pública para sua realização.

Logo, o fomento nessas áreas é essencial para o desenvolvimento do estado e também do país, de maneira geral, visto que, indiretamente, também é investido na formação de profissionais capacitados que trabalham diretamente com a resolução de problemas em diversas áreas.