11 de abril de 2021
Campo Grande 34º 22º

ECONOMIA

Um novo recorde de vendas na Black Friday deste ano

Durante todo o mês de novembro retirar, as vendas cresceram, e muito. Tanto para os consumidores quanto para os varejistas, este ano de quarentena por conta da pandemia foi importante para o e-commerce. Houve uma estratégia de marketing muito importante que, unida à mudança de comportamento dos consumidores, provocou uma Black Friday bem sucedida.

Agora que este evento comercial já passou, é possível analisar o que aconteceu, como foi o comportamento dos consumidores, o comportamento dos varejistas e a conclusão quanto ao sucesso de vendas, além das expectativas.

Em primeiro lugar, é importante destacar que se a Black Friday começou sendo um evento comercial que durava somente um dia, agora dura o mês de novembro inteiro. E se levantarmos os números de vendas dos 30 dias desse mês, elas subiram 70% em relação às vendas do ano passado.

O comportamento dos varejistas foi fundamental: retirar começaram com o marketing digital bem cedo, fazendo promoções e ofertas tanto nas lojas físicas quanto nas lojas virtuais, procurando que os consumidores se decidissem com calma para poder fazer as compras com tranqüilidade, mantendo a distância social nas lojas físicas, e atendendo a todos os clientes que compraram online.

EXISTE ALGUMA MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES POR CAUSA DA PANDEMIA?

Evidentemente houve uma mudança importante quanto ao aumento de vendas no e-commerce: uma grande porcentagem dos consumidores preferiu fazer as compras online, evitando desse modo o contágio da covid-19 indo às lojas físicas.

Hoje, os resultados mostram que, historicamente, a Black Friday 2020 foi a de maior sucesso de vendas de toda a história deste evento no Brasil. Segundo uma pesquisa recente, houve um momento em que se registraram cinco mil pedidos por minuto!

Segundo uma investigação feita para analisar os produtos mais vendidos, pode se dizer que os aparelhos de telefonia móvel, os famosos smartphones, foram os mais vendidos, seguidos por eletrodomésticos como geladeiras, ar condicionado e micro-ondas. Também artigos de entretenimento e móveis.

Todos esses produtos mencionados faturaram um alto número de reais. Agora bem, quanto à quantidade de produtos de cada segmento, os departamentos de moda, de beleza, perfumaria e saúde, venderam muito.

POR QUE MOTIVO HOUVE TAMANHO AUMENTO DE VENDAS EM 2020?

Sem dúvida alguma, a presença de novos consumidores online provocou o aumento das vendas. Mas também o fato das lojas físicas se encarregarem de ter as suas respectivas lojas online facilitou o trabalho!

Devido à situação geral no país, os produtos adquiridos pelos consumidores não se restringiram somente a smartphones, Smart TVS, geladeiras, fogões, perfumes importados ou tênis: os consumidores também compraram todo tipo de produtos de beleza, alimentos e bebidas.

Por outro lado, não devemos esquecer o papel das redes sociais no marketing digital da Black Friday 2020. Redes sociais como Facebook, Instagram e Twitter anunciaram promoções, ofertas e ações quanto a cupons de descontos com uma certa regularidade.

O Instagram foi a rede social que teve mais ações de marketing, seguida em segundo lugar pela rede Facebook e, por último, por Twitter. Tendo em conta que as pessoas no Brasil ficam horas e horas conectadas nas redes sociais através dos seus smartphones, essa campanha de marketing digital para a Black Friday 2020 foi realmente bem sucedida.

As campanhas que mais impactaram foram as relacionadas com eletrônicos, supermercados, lojas de departamento e produtos de beleza, sendo Lojas Americanas, Casas Bahia e Magazine Luiza as marcas que mais foram lembradas.

Entre tantas marcas e serviços, a única marca de produto que conseguiu se destacar no marketing digital desta Black Friday foi a Samsung.

Por último, é muito importante destacar que a intenção de compra de smartphones se manteve na compra real, colocando esse produto no topo da lista de vendas deste ano. Isso certamente aconteceu porque uma grande parcela da população está ficando em casa por conta da pandemia e para evitar o contágio.

Desse modo, a compra de um aparelho celular passou a ser fundamental para a conectividade e os relacionamentos interpessoais: netos que querem se comunicar com os avós, parentes que moram distantes e não podem se encontrar pessoalmente e até funcionários que passaram a trabalhar ‘home-office’. Os smartphones são os verdadeiros protagonistas deste tempo.