28 de maio de 2024
Campo Grande 12ºC

EDUCAÇÃO | INTERIOR

Abandonados pela prefeitura de Porto Murtinho, alunos pedalam 36 km para estudar

Alunos precisam pegar caronas em tratores para atravessar atoleiros; município tem contratos, mas diz que não

A- A+

Há 9 meses cerca de onze alunos que vivem na zona rural de Porto Murtinho (MS), estão abandonados pela prefeitura. Sem veículo escolar que passe lá para recolhê-los, se quiserem estudar, precisam pedalar 36 km de ida e volta até a “Sala Santa Terezinha” – espécie de escola montada na fazenda Braumal.     

Segundo denúncia e vídeos enviados ao MS Notícias, os adolescentes usam bicicletas e contam com ajuda de tratores de fazendas no caminho para atravessar poças de lama. A imensa dificuldade e a sala precária, segundo moradores, estão levando a evasão e a uma grande quantidade de adolescentes ficando analfabetos. 

“Tem aluno de 14 anos que não sabe ler, aqui. Existe um descaso a prefeitura e todo mundo está parando de estudar... meus filhos eu mandei para Campo Grande, mas dói demais ver os filhos dos outros passando por isso aqui. Eu fico revoltado”, disse um morador da região conhecido como Cigano. Ele vem filmando a situação para tornar a situação pública. “Eles disseram que não compensa por carro escolar aqui. Como não compensa? São onze pessoas, jovens, cidadãos que são o futuro de tudo”, comentou, revoltado.

De acordo com Cigano, em conjunto com um coletivo de mães dos alunos, já comunicaram o Conselho Tutelar do município, tentaram levar o caso ao Ministério Público e apesar do retrato de abandono, não podem contar com ajuda dos educadores na denúncia. “Todo mundo aqui só pensa em dinheiro. Ai meu emprego! As mães têm prints do diretor de uma das escolas divulgando o nome de uma das mães que reclamou desse abandono. Ao invés de estar do lado dos alunos, parte dos educadores daqui estão do lado do dinheiro que o prefeito paga”, opinou. 

Ainda de acordo com Cigano, os educadores das escolas rurais estariam acumulando cargos para receberem mais. “Eles lavam a escola, são merendeiros, fazem tudo só para receber mais”, completou. Veja os vídeos enviado por Cigano à reportagem:  

Apesar do desprezo, a administração do prefeito Nelson Cintra (PSDB), tem um orçamento de quase R$ 9 milhões na Educação em 2022. 

A empresa A. R. Dos Santos Filho, com sede em Caracol (MS) é a responsável pelo transporte escolar e fez vários aditivos no contrato deste ano com a prefeitura. Veja a sequência de aditivos abaixo:

Procurada, a Secretária de Educação, Rita de Cássia Padilha, foi evasiva em suas respostas e enviou uma tabela para comprovar que existem “salas” montadas em fazendas, informação que não questionamos. Perguntada sobre o porquê o transporte escolar não está recolhendo os alunos, Rita enviou a seguinte mensagem: “Não há legislação para transporte em linha interna, somente mestra”. Não tendo ficado claro o que sugeriu com a resposta, a secretária foi provocada a explicar a afirmação e disse: “Não procede senhor”, não respondendo mais às mensagens da equipe do MS Notícias.  

Solicitamos um posicionamento da prefeitura sobre a situação a qual os adolescentes estão sendo submetidos, entretanto, a assessoria de imprensa não respondeu a mensagem enviada pela reportagem.