19 de maio de 2024
Campo Grande 17ºC

AGRESSÃO

Funcionária da Sesai agride indígena: "Você vai aprender a ser gente!" (vídeo)

Suposta Técnica de Enfermagem não-indígena e a paciente aparecem trocando agressões

A- A+

O perfil da Assembleia Geral do povo Kaiowá e Guarani, Aty Guasu, publicou neste sábado (18.fev.23) um vídeo em que uma mulher, que seria Técnica de Enfermagem, funcionária pública da Secretaria Especial de Saúde Indígena, ligada pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (SESAI/DSEI) de Mato Grosso do Sul, aparece agredindo uma paciente indígena.

“Uma técnica em enfermagem não-indígena... Senhora Ilma, funcionária pública da SESAI/DSEI/MS agrediu uma paciente indígena Guarani Kaiowá e chamou de “bruxa” , “ não gente”, denunciou o perfil.

No vídeo, a mulher não-indígena e a paciente aparecem trocando agressões. Ao ficar sobre o corpo da paciente indígena, Ilma diz: "Você vai aprender ser gente, você vai aprender a ser gente, sua bruxa! Você vai ver, eu vou levar na Polícia essas marcas que tu fez no meu pescoço, vai se arrepender de ter mexido comigo! Entendeu, bem? Entendeu, bem? (a indígena diz que não!)... Então, entenda!", disse a mulher com sotaque sulista.  Na sequência a mulher branca ordena: "Agora, larga minha blusa. Larga minha blusa! (grita) Larga, eu falei! Me larga, sua guriazinha de bosta! Tu acha que vai aguentar comigo, sua fraquinha? Tu acha que vai aguentar comigo? Ah! é? Vou levar na Polícia, tudo na Polícia. Você vai ver", continuou a funcionária trocando agressões físicas com a indígena. Eis o vídeo: 

Segundo a Aty Guasu, a violência ocorreu às 15h da 5ª.feira (16.fev.23), na casa da vítima, indentificada como sendo Jane Amaral, moradora da Terra Guaimbê, município de Laguna Carapã (MS). “Destacamos que a prática de racismo e discriminação/crimes contra indígenas Guarani-Kaiowá é comum a ocorrer, promovidos pelos próprios funcionários públicos não- indígenas atuantes nas comunidades indígenas. Diante do fato ocorrido em curso pedimos providência urgente por parte das autoridades federais, do Ministério da Saúde, Secretário da SESAI de Brasília”, disse a entidade. 

“Mais uma vez pedimos a nomeação de indígenas para assumir o cargo da coordenação da DSEI/SESAI/MS. Sobretudo, para combater esse tipo de violência em andamento contra indígenas. É reinvindicação das lideranças dos povos indígenas do MS para evitar esse tipo prática do racismo e discriminação étnica nas comunidades indígenas”, continuou. 

A Aty Guasu Guarani e Kaiowá disse repudiar veementemente esse tipo de violência promovida pelos profissionais não indígenas. “Aguardamos providências urgente tomadas pelas autoridades federais. Seguimos denunciando a violência variada praticada contra os indígenas Guarani e Kaiowá”, disse. 

A reportagem tentou contato com a DSEI-MS e com a Polícia Civil em Laguna Carapã para saber se a denúncia chegou às autoridades, mas os telefonemas não foram atendidos.