19 de abril de 2021
Campo Grande 31º 20º

Acidente de trânsito gera prejuízo de R$ 40 bi por ano ao Brasil

Com um saldo de 8227 vidas ceifadas de suas famílias e mais de 12,3 bilhões de reais a menos nos cofres públicos causados pelos 169 mil acidentes de transito ocorridos ao logo de 2014, registrados nas rodovias federais, o Brasil amarga uma cifra em torno de 40 bilhões de reais se somados os acidentes em estradas estaduais e municipais. Esta conclusão é do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), com dados da PRF (Polícia Rodoviária Federal) em um relatório "Acidentes de transito nas rodovias brasileiras", apresentado nesta quarta(23).

Foram comparadas as perdas de 2014 com as ocorridas em 2007 e 2010, o que registra uma queda, se levar em consideração o aumento da frota de veículos. Em 2007, é contabilizado com correção monetária o valor de R$ 9,1 bilhões, enquanto 2010 registra R$ 13 bilhões ocasionada por acidentes com vítimas feridas e mortes nas rodovias federias.

No trecho do relatório ressalta que " em função da redução do volume de acidentes e acidentes graves, principalmente, o custo total caiu entre os anos de 2010 e 2014, mesmo com o crescimento da frota de veículos no período. Isso pode indicar o sucesso de medidas de redução de acidentes nas rodovias federais, como a concentração das operações da polícia nos trechos críticos e melhorias da infraestrutura e equipamentos de controle de velocidade. De qualquer forma, quando comparado com meados da década passada, os custos são muito maiores em função do aumento de todos os seus componentes. Isso significa que, mesmo com resultados positivos nos últimos quatro anos, há muito que avançar no país para se reduzirem os acidentes de trânsito nas rodovias federais."

O valor das perdas, quanto às vítimas, que inclui as despesas desde cuidados com a saúde e despesas hospitalares até a perda da capacidade produtiva, chega a 64,7% do montante. Danos aos veículos e às cargas transportadas são 34,7% e os danos a propriedades públicas e privadas chega a 0,5% . A perda da capacidade produtiva (quando a pessoa se afasta do trabalho em detrimento do acidente) aponta 43% do prejuízo, se  analisado individualmente.

Para cada acidente o custo chega a R$ 72.705,31 em média, quando se trata de morte os números são mais assustadores, o governo desembolsa cerca de R$ 646.762,94. Apesar de representar apenas 4% das ocorrências, os acidentes fatais ocupam 35% das perdas monetárias e os acidentes sem mortos apontam 37% no total das ocorrências.

O estado que consta com o maior número em acidentes é Minas Gerais, que tem a maior malha rodoviária federal do país. Ao todo morreram 8.227 pessoas  nas rodovias brasileiras em 2014, foram registrados 169.163 acidentes envolvendo 301.351 veículos e desse se feriram 100.810, onde 26 mil ficaram em estado grave. O relatório mostra que  em cada três acidentes com morte, dois  se procedeu em área rural, e um em cada três provocado por desatenção do condutor.