16 de abril de 2021
Campo Grande 32º 20º

AVISO | COVID-19

Covid-19: Governo de MS pode tentar via direta pela vacina caso plano de Pazuello na saia

Azambuja sinalizou que pode quebrar hierarquia caso Governo Federal não apresente plano. Governador diz ter R$ 100 milhões em caixa

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), também pressionou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ontem (8.dez) por meio de conferência com governadores que cobraram que o Governo Federal entregue um plano nacional de vacinação contra a Covid-19. “Se não ocorrer o plano por parte do ministério, temos R$ 100 milhões em caixa para comprar vacinas de qualquer natureza: seja inglesa, seja chinesa...desde que aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária”, disse o governador nesta 4ª-feira (9.dez.2020) e também emitiu alerta que pode quebrar hierarquia, mas que não quer.   

““Estamos com recursos garantidos, caso seja preciso usá-los, sou defensor de que a gente não quebre a hierarquia do Ministério da Saúde, que tem o Programa Nacional de Imunizações (PNI) para fazer a vacinação”, destacou Azambuja.

A pressão dos governadores ocorre após o Reino Unido sair na frente e já estar imunizando sua população desde a 3ª-feira (7.dez). Lá, a proteção começou pelos idosos.

Se o cronograma ficar sob a responsabilidade do Governo do Estado, haverá um grupo de prioridades. Segundo a gestão, devem receber as doses profissionais de saúde, idosos, pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, indígenas, professores e profissionais da segurança pública serão os primeiros a receber o imunizante contra a Covid-19.

“Fizemos um cálculo, eu e o secretário Geraldo Resende (Saúde), e chegamos ao número de 780 mil pessoas pertencentes a esse grupo”, explicou Azambuja.

A quantidade é praticamente um terço da população sul-mato-grossense, formada por 2,4 milhões de habitantes. “Esperamos até o final do ano ter uma equação resolvida com o Ministério da Saúde. Defendemos preservar vidas”, concluiu o governador.

O aviso feito pelo governador de MS, ocorreu no mesmo dia em que o governador do Maranhão, Flávio Dino, do PCdoB, afirmou (ontem - 8.dez) que acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para que estados possam comprar vacinas de Covid diretamente de fabricantes estrangeiros, sem o aval da Anvisa. "Com isso, estados poderão atuar, se governo federal não quiser", publicou Dino no Twitter.

Em pronunciamento à imprensa na tarde de ontem, 3ª-feira, Pazuello disse que compete ao Ministério da Saúde planejar a vacinação em todo o Brasil. "Acompanhamos a evolução de imunizantes para Covid-19 em passos acelerados, com total responsabilidade. São 270 produtores no mundo que estão desenvolvendo vacinas. Acompanhamos todos. O Brasil possui mais de 300 milhões de doses garantidas por meio de acordos internacionais e nacionais, esperando a aprovação por parte da Anvisa (...) ressalto que todos aqueles que desejarem terão acesso a vacina e nós ofereceremos a vacina", destacou.