19 de junho de 2024
Campo Grande 22ºC

GIGANTES EUROPEUS

Espanha, Noruega e Irlanda reconhecem Estado Palestino

Agora 130 países da ONU dizem que Palestina é um país e deve ser livre da opressão de Israel

A- A+

Espanha, Noruega e Irlanda reconheceram formalmente a existência do Estado Palestino, numa medida que provavelmente reforçará a causa palestina global. “Hoje, a Irlanda, a Noruega e a Espanha anunciam que reconhecemos o estado da Palestina. Cada um de nós tomará agora todas as medidas nacionais necessárias para dar cumprimento a essa decisão”, anunciou o primeiro-ministro irlandês, Simon Harris, numa conferência de imprensa em Dublin, nesta 4ª.feira (22.mai.24).

Agoram, a Palestina é reconhecida como um país que deve ser livre de Israel por mais de 130 dos 193 estados membros das Nações Unidas, de acordo com a Organização para a Libertação da Palestina

O reconhecimento do gigantes europeus entrará em vigor nos três países em 28 de maio, disse o ministro das Relações Exteriores irlandês, Micheál Martin.

A decisão histórica de três importantes países europeus provocou a rápida condenação de Israel, com uma ordem imediata de retirada dos embaixadores israelenses na Irlanda e na Noruega.

O primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Støre, disse que a guerra em Gaza “deixou claro que o alcance da paz e da estabilidade deve ser previsto na resolução da questão palestina”.

“No meio de uma guerra, com dezenas de milhares de mortos e feridos, devemos manter viva a única alternativa que oferece uma solução política tanto para israelenses como para palestinos: dois Estados, vivendo lado a lado, em paz e segurança”, disse Støre.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, disse: “Reconheceremos o estado da Palestina pela paz, coerência e justiça”.

“Este reconhecimento não é contra o povo de Israel e certamente não é contra os judeus”, disse ele. "Não é a favor do Hamas. É a favor da coexistência", completou. 

O ministro das relações exteriores de Israel, Israel Katz, disse que o seu país “não vai se conter contra aqueles que minam a sua soberania e põem em perigo a sua segurança”.

“A Irlanda e a Noruega pretendem enviar hoje uma mensagem aos palestinos e a todo o mundo: o terrorismo compensa. Depois de a organização terrorista Hamas ter levado a cabo o maior massacre de judeus desde o Holocausto, depois de ter cometido os crimes sexuais mais horríveis que o mundo já viu, estes países optaram por recompensar o Hamas e o Irã e reconhecer um Estado palestino”, acrescentou Katz. em comunicado divulgado pelo ministério.

GENOCÍDIO E LIMPEZA ÉTNICA 

Vamos lembrar que Israel massacra civis em uma guerra que já se arrasta por 230 dias. O ensejo é eliminar o Hamas, mas no curso estão sendo mais mortos crianças e mulheres num verdadeiro genocídio. 

Israel afirmou que procura uma “vitória absoluta” sobre o Hamas, uma vez que continua a receber milhares de milhões de dólares em ajuda militar incondicional dos EUA.

E embora o governo dos EUA tenha afirmado que pretende pôr fim ao conflito, Washington segue alimentando os planos israelitas, mantendo o seu apoio “ferrenho” a Israel, dizem os analistas. “O que Israel pretende alcançar é simplesmente o apagamento e a expulsão. É isso que eles querem aqui. E eles têm sido francos sobre isso”, disse Osamah Khalil, professor de história na Universidade de Syracuse.

Embora Netanyahu tenha dito que Israel “não tem intenção de ocupar permanentemente Gaza ou de deslocar a sua população civil”, membros de alto nível do seu governo sugeriram o contrário.

Alguns ministros israelitas de extrema-direita apelaram abertamente à deslocação dos palestinianos de Gaza. Outras autoridades apelaram à “ migração voluntária ” dos residentes do território. E no ano passado, o jornal Israel Hayom noticiou que Netanyahu contratou um dos seus assessores para trabalhar num plano para “diminuir” a população em Gaza.

O Egipto – o único país que faz fronteira com Gaza, além de Israel – opôs-se veementemente à deslocação em massa de palestinianos, que os especialistas apontam que equivaleria a uma limpeza étnica.

Mas Khalil disse que os planos de Israel para o deslocamento em massa de palestinos não mudaram. Na verdade, a ofensiva em curso na cidade de Rafah, no sul de Gaza, aumentou a perspectiva, dado que muitos residentes ali abrigados já fugiram do derramamento de sangue e dos bombardeamentos no norte.

E se o governo israelita não conseguir expulsar os palestinianos, Khalil acredita que, em vez disso, tentará conter a maior parte da população de Gaza em pequenas áreas, impedindo-os de regressar a casa e sujeitando-os a bombardeamentos, vigilância, fome e doenças. 

Adam Shapiro, um analista político, fez uma avaliação semelhante. “Israel está realmente tentando tornar impossível qualquer aparência de vida em Gaza”, disse ele à Al Jazeera. “O objetivo é basicamente impossibilitar que as pessoas continuem morando lá e obrigá-las a sair". 

Shapiro acrescentou que Israel conseguiu arrasar grandes partes de Gaza, matar a sua população à fome e matar mais de 35.000 pessoas sem enfrentar uma pressão internacional considerável para acabar com a guerra.

“É um status quo que parece ser sustentável para muitos atores por um longo período de tempo”, disse ele.

Matthew Duss, vice-presidente executivo do Centro de Política Internacional, um think tank com sede nos EUA, também disse que o conflito corre o risco de se tornar prolongado.

Acrescentou que a falta de estratégia de Israel em Gaza poderia ter consequências “catastróficas” para os palestinianos, os EUA e a própria Israel. “Há uma guerra de vingança levada a cabo por um Estado que tem o apoio total da superpotência global que o protege de quaisquer consequências”, disse Duss à Al Jazeera.

NÚMERO DE VIDAS PALESTINAS CEIFADAS POR ISRAEL 

O número de mortos na Faixa de Gaza devido ao ataque mortal de Israel subiu para 35.562 desde 7 de outubro passado, informou o Ministério da Saúde do enclave sitiado na 2.-feira (20.mai.24).

Pelo menos 79.652 pessoas também foram feridas no ataque, acrescentou o Ministério em um comunicado. “Os ataques israelenses mataram 106 pessoas e feriram outras 176 nas últimas 24 horas”, disse o Ministério.

“Muitas pessoas ainda estão presas sob escombros e nas estradas, pois as equipes de resgate não conseguem chegar até elas”, acrescentou.

Israel continua sua ofensiva brutal na Faixa de Gaza, apesar de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU exigir um cessar-fogo imediato.

Mais de sete meses após o início da guerra israelense, vastas áreas de Gaza estão em ruínas em meio a um bloqueio paralisante de alimentos, água potável e medicamentos.

Israel é acusado de genocídio pelo Tribunal  Internacional de Justiça (TIJ) que, em janeiro, emitiu uma decisão provisória que ordenou que o país parasse com os atos genocidas e tomasse medidas para garantir que a assistência humanitária fosse fornecida aos civis em Gaza.

FONTE: ALJAZEERA | MONITOR DO ORIENTE