09 de maio de 2021
Campo Grande 30º 15º

TRISTE COINCIDÊNCIA

Paulo Gustavo e Aldir Blanc morreram pela covid-19 no mesmo 04 de maio

O músico que dá nome à lei de emergência cultural morreu no 04 de maio de 2020, o ator, no 04 de maio deste ano

A- A+

Há exatamente um ano (4.maio.2020) a arte brasileira perdeu o músico carioca Aldir Blanc, aos 73 anos, vítima da Covid-19. Hoje (4 de maio de 2021) a doença segue matando e levou o ator e humorista Paulo Gustavo.  

A coincidência da data chama atenção de internautas

Aldir Blanc deu nome à "Lei" que instituiu o auxílio emergencial aos trabalhadores da cultura durante a pandemia. Compositor de grandes sucessos da MPB brasileiro, foi Aldir quem criou a música "O Bêbado e a Equilibrista", imortalizada na voz de Elis Regina.

Paulo Gustavo por sua vez também conquistou êxito em sua carreira, tendo emplacado três filmes de Dona Hermínia, personagem que criou para homenagear a mãe.   

Aldir foi internado em 10 de abril de 2020 no Hospital Municipal Miguel Couto com infecção urinária e pneumonia. O letrista foi transferido dias depois para a Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Pedro Ernesto, onde um exame revelou uma infecção pelo COVID-19. Na madrugada de 4 de maio, acabou por não resistir e morreu por complicações da doença.

Paulo foi internado em 13 de março, passou por várias complicações. Foi um dos pacientes submetidos à ECMO, apesar de toda tentativa da equipe médica o artista acabou morrendo hoje.  

A doença ceifa famílias de todas as classes sociais, somente nas últimas 24 horas, o Brasil registrou 2.966 mortes em decorrência de complicações da covid-19. No mesmo período, foram confirmados 77.359 novos casos da doença. Os dados foram divulgados na atualização diária do Ministério da Saúde, liberada na noite desta terça-feira (4. maio).

Com esses novos dados, o total de vidas perdidas no Brasil para a pandemia chegou a 411.588. Ontem, o sistema de dados do Ministério da Saúde marcava 408.622. Ainda há 3.651 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.