17 de junho de 2024
Campo Grande 26ºC

Pezão é reeleito, e PMDB emplaca terceiro mandato à frente do governo do RJ

A- A+

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), 59, foi reeleito para mais um mandato à frente do Executivo fluminense. Este será o terceiro mandato seguido de um político do PMDB no governo do Estado. Ele derrotou o senador Marcelo Crivella (PRB), que havia superado o ex-governador e deputado federal Anthony Garotinho (PR) no primeiro turno com pouco mais de 42 mil votos. O ex-prefeito de Piraí, cidade no sul do Estado, vai governar uma população estimada em 16,4 milhões de pessoas distribuídas entre 92 municípios, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Desde o início da campanha, o governador eleito apresentou trajetória ascendente nas pesquisas. Pezão saiu do terceiro lugar, com 15% das intenções de votos, no primeiro levantamento do Ibope em 30 de julho, e chegou ao segundo turno com 40,57% dos votos e uma vantagem de aproximadamente 1,6 milhão sobre o segundo colocado. No segundo turno, Pezão recebeu apoios de peso, como o do ex-jogador de futebol Romário (PSB) que venceu a disputa pelo Senado, e se aliou a nove de dez prefeitos do PT no Estado e a cinco dos seis deputados eleitos pela sigla. A presidente Dilma Rousseff (PT) esteve em seu palaque, assim como no de seu adversário. O tiroteio entre os concorrentes também ficou mais pesado. Crivella chegou a chamar Pezão de "Penóquio", insinuando que o adversário mentia e, por isso, tinha o pé grande. No primeiro turno, a participação de Pezão nos mandatos anteriores foi bastante criticada. Um dos escândalos relembrados foi o episódio em que Sérgio Cabral e parte de seu secretariado foram fotografados em confraternização com o alto escalão da construtora Delta durante uma viagem a Paris. O episódio foi minimizado por Pezão. "Era um momento de festa, alguns secretários se excederam. Acho que a gente tem que registrar também as conquistas que tivemos dentro do governo", disse. Pezão, por sua vez, atacou a ligação de seu adversário com a Igreja Universal do Reino de Deus. O peemedebista acusou Crivella de ser instrumento da igreja para tentar controlar o Estado  -ele é bispo licenciado e sobrinho do líder da instituição, Edir Macedo. Para reforçar sua posição, ele exibiu um vídeo de 1995 que mostra Macedo ensinando os pastores a arrecadar contribuições dos fiéis. No primeiro turno, Pezão teve oito minutos e 57 segundos de tempo de propaganda graças a sua coligação composta por 18 partidos. Sua candidatura também teve números expressivos em gastos (R$ 13,6 milhões) e em arrecadação (R$ 13 milhões) segundo o TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Para ser ter uma ideia, Crivella declarou gastos de R$ 1,5 milhão e arrecadação de R$ 787 mil.

Bandeira das UPPs

Na área da segurança pública, um dos temas mais explorados durante a campanha, Pezão defendeu a continuidade da política das UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) e prometeu dobrar o número de unidades até 2018. Criado em 2008, o projeto soma 38 unidades no Estado. As estatísticas do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que, de janeiro a junho deste ano, mais de 2.700 pessoas foram assassinadas no Estado. Foi o primeiro semestre mais violento desde 2009, em números absolutos. A segurança pública é o tema que mais preocupa os internautas cariocas e fluminenses do UOL que participaram da ferramenta "Sua Avaliação" (avaliação contínua dos Estados). Uma pesquisa Datafolha publicada em agosto apontava que, para 70% dos moradores da capital fluminense, o projeto das UPPs deveria sofrer mudanças.

"Tocador de obras"

Natural de Piraí, Luiz Fernando de Souza é formado em economia e administração de empresas. Iniciou a carreira política em seu município de origem, onde foi duas vezes vereador e duas vezes prefeito. No período como vice-governador, exerceu também o cargo de coordenador de Obras do Estado. Em sua apresentação para os eleitores, classificou-se como um "tocador de obras" e buscou reforçar a imagem de um político desenvolvimentista. Uol