22 de junho de 2021
Campo Grande 28º 16º

Videomonitoramento é avanço, mas faltam policiais e guardas municipais, afirmam comerciantes

A- A+

Os comerciantes de Campo Grande se mostraram contentes ao saber que o serviço de videomonitoramento deve estar em pleno funcionamento no primeiro trimestre do próximo ano. Para eles, a diferença será em relação à inibição de ações de assaltantes e vândalos, que aproveitam a falta de segurança da Capital para agir.

A reportagem do site MS Notícias percorreu as regiões do Mercadão Municipal e Camelódromo e também do cruzamento da Rua 26 de Agosto com a Rua 14 de julho, em busca da opinião dos comerciantes sobre o videomonitoramento.

Para todos, o videomonitoramento vem em boa hora, já que a Capital não possui segurança e muitos são vítimas de assaltos e até pichações em seus estabelecimentos.  O que deixa os comerciantes receosos é o fato de, ter o equipamento, mas a Guarda Municipal ou a Polícia Militar não ter o efetivo para prevenir a ação.

“É muito boa essa iniciativa, mas será que vai resolver? Eles vão olhar lá e saber que em determinada região está acontecendo algo, mas do que adianta se não há efetivo da polícia ou da guarda para prevenir? Eu já me informei, já conversei com as classes e é essa a resposta que me dão”, disse o comerciante André Vargas, 33, proprietário da Shop Shirley.

O gerente da loja Mercadão Celulares, Ricardo Felix, 39, afirmou ser excelente o videomonitoramento. Em sua opinião, a região do Mercadão é uma das mais perigosas de Campo Grande, com grade aglomeração de assaltantes, usuários de drogas e moradores de ruas. Segundo Ricardo, a região é possui grande índice de criminalidade. “Isso irá beneficiar tanto os comerciantes quanto os próprios consumidores, que estão na rua e também ficam a mercê da criminalidade, tomara que seja uma decisão certeira”, disse.

Mesmo sendo a favor do monitoramento, Ricardo critica o número de câmeras que devem ser instaladas. De acordo com a assessoria da prefeitura, são 22 câmeras distribuídas em diversos pontos centrais da Capital.

Thaís Niza, 17, trabalha em uma banca de revistas na Rua 26 de Agosto. Para ela, essa ação irá inibir os vândalos que picham os locais, além de prevenir que os estabelecimentos sejam assaltados. Da mesma opinião é a vendedora Ivani Simões Vieira,59, da loja Tati Roupas Usadas, que já teve objetos de dentro de sua loja levados.

O proprietário de  uma lanchonete, na mesma região, teve a porta de seu estabelecimento pichada. “O monitoramento vai trazer mais segurança, nunca fui assaltado, mas a minha porta está toda pichada. Eu nem mandei pintar ela porque é só dinheiro jogado fora, eles vem aqui e picham de novo”, desabafou Márcio Miyahira,51.

Um planejamento foi elaborado pela Guarda Municipal para os locais de instalação das câmeras. Na avenida Calógeras o equipamento será instalado em três cruzamentos: com as ruas 15 de Novembro, Cândido Mariano e avenida Mato Grosso, abrangendo no seu raio de captação, a entrada da Feira Central e complexo da esplanada dos ferroviários. O monitoramento desta região será ampliado com a instalação de uma câmera na esquina da 14 de Julho com a rua General Mello. Ainda na  rua 14 de Julho, estão planejadas outras três câmeras nas esquinas com as ruas Maracaju e Dom Aquino, além da avenida Afonso Pena.

São previstas ainda três câmeras  nas ruas 26 de Agosto, uma no cruzamento com a rua 14 de Julho e outra com a Anhanduí, que cobrirá a Praça do Índio e o Mercado Municipal. A terceira será na esquina da 26 de com a Rui Barbosa. O equipamento programado para a esquina da avenida Afonso Pena com a rua Anhandui, permitirá o monitoramento do Camelódromo, Moradora dos Bais e parte da Orla Ferroviária.

Outro trecho da Orla Ferroviária, na região do Cabreúva e da Vila Planalto, será atendido com três câmeras previstas para a avenida Noroeste (esquinas com a rua Antonio Maria Coelho, Cyro Bueno e Santos Dumont). Na rua 13 de Maio, estão programados quatro pontos de monitoramento: esquinas com as ruas 15 de Novembro, Barão do Rio Branco, Cândido Mariano e Mato Grosso. Estes equipamentos vão cobrir a região da cidade que concentra o maior número de agências bancárias. Na Rui Barbosa haverá pontos de monitoramento nas esquinas com as ruas Maracaju, Dom Aquino, Afonso Pena e no já mencionado cruzamento com a rua 26 de Agosto.

Tayná Biazus