25 de junho de 2024
Campo Grande 29ºC

Kátia pode ter atuado em empresa de possível consórcio suspeito de irregularidade

A- A+

O MS Notícias recebeu novas informações sobre as denúncias de uma suposta tentativa de manipular uma licitação na prefeitura de Campo Grande referente à implantação do CCI (Centro de Controle Operacional de Gestão Integrada de Mobilidade Urbana com Prioridade ao Transporte Público).

No dia 25 de dezembro de 2014, o MS Notícias publicou uma série de denúncias recebidas por este site sobre um suposto consórcio que estaria sendo formado pelas empresas Itel, do empresário João Roberto Baird,  Swarco, empresa italiana, e BSE – Sistema Eletrônico Ltda, de São Paulo. Conforme denúncias, o esquema pode ter sido encabeçado pela então secretária de infraestrutura, Kátia Castilho.

O objetivo desse grupo, de acordo com denúncias recebidas, seria favorecer o consórcio na área de tecnologia de informação voltada para mobilidade urbana para torná-lo vencedor da licitação de R$ 70 milhões referente ao CCI de Campo Grande. A licitação está me fase de elaboração de edital e o certame deverá acontecer em 2015.

O MS Notícias recebeu esta semana novos documentos que comprovam que Kátia já trabalhou para o grupo BSE - Sistema Eletrônico, que faria parte do suposto consórcio. Kátia atuou como consultora de trânsito da BSE em 2010 e participou de alguns simpósios representando a empresa cuja sede é em São Paulo, capital.

De acordo com denúncias recebidas, nesta época, ela conheceu o empresário João Baird, dono da Itel, que, como ele mesmo disse, vive há anos em São Paulo, embora sua principal fonte de renda seja decorrente de contratos com prefeitura de Campo Grande e com, governo do Estado.

Segundo essas fontes, Katia teria iniciado um contato profissional com João, que em 2013, teria "ajudado" a engenheira de trânsito a vir para Capital e conseguir o posto de diretora da Agetran (Agência Municipal de Trânsito). João teria ajudado Katia a alugar apartamentos e até, conformes fontes, teria emprestado a ele carros de sua empresa.

No entanto, no dia 29 de dezembro ao ser questionado sobre o assunto pela reportagem, o empresário negou conhecer Kátia. “Eu nunca vi essa senhora”, disse João Baird sobre Kátia Castilho. O empresário negou qualquer encontro com Kátia até mesmo na época em que ela comandou a Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação).

Sobre o consórcio, mais uma vez, João Baird negou conhecer as empresas BSE e Swarco. “Não tenho conhecimento disso, nunca vi Swarco, nunca falei com esse povo, não sei nem quem é. Nem sei o que significa BSE, eu sou empresário nem moro em Campo Grande, moro em São Paulo”, respondeu João Baird.

A BSE, no entanto, é uma empresa conhecida na área de tecnologia de informática e sistemas eletrônicos cuja sede é em São Paulo, onde João Baird mora. A área de atuação da BSE e da Itel é a mesma. A reportagem tenta desde dia 25 de dezembro entrevistar a ex-secretária, mas até hoje não recebeu nenhum retorno.

foto cciSobre CCI

A proposta da central é implantar uma plataforma integradora de sistemas visando o Gerenciamento completo da Mobilidade Urbana, proporcionando uma interface comum para todos os sistemas Inteligentes de Trânsito e para o Gerenciamento do Transporte Público, em tempo real, integrado com o Controle Centralizado das Interseções semaforizadas, agregando serviços e Informação Dinâmica de gerenciamento da Rota Serviço e Multimídia de Informação. O projeto foi aprovado em março de 2014 pelo Ministério das Cidades. A reportagem entrou em contato com responsável do Ministério das Cidades pela liberação dos recursos para implantação do CCI. A assessoria do Ministério informou que o responsável poderá conversar com MS Notícias sobre o caso ainda esta semana.