19 de junho de 2024
Campo Grande 20ºC

EDUCAÇÃO

Mais 300 instrumentos para bandas marciais são entregues em duas escolas da REME

A- A+

Mais 300 instrumentos foram entregues na tarde desta terça-feira (28) em duas escolas da REME (Rede Municipal de Ensino) de Campo Grande. Foram investidos R$ 3,5 milhões para a compra de novos instrumentos que há mais de dez anos não tinham renovação. Nesta tarde, as escolas Elizabel Maria Gomes Salles e Licurgo de Oliveira Bastos foram contempladas cada uma com 150 instrumentos, incluindo estantes.

A prefeita Adriane esteve presente nas duas entregas e destacou a importância da música no desenvolvimento dos alunos. “Quando a Prefeitura incentiva uma banda de percussão numa escola, oportuniza que esses jovens, adolescentes, e as crianças dessa escola aprendam música. E a música é uma linguagem universal. Esse ensinamento é para a vida toda. Vocês podem se tornar musicistas, vocês podem conquistar bolsas de estudos em universidades e essa é uma oportunidade única. Por isso, a Prefeitura investe nas bandas de percussão e na educação de Campo Grande”.

Segundo o secretário de Educação, Lucas Henrique Bitencourt, estão sendo feitas entregas para o desenvolvimento dos alunos. “A Deac passou de 7 mil alunos atendidos para 25 alunos atendidos, isso mostra a importância do investimento na educação, é tirar os alunos das ruas e dar oportunidades”.

O chefe da Deac (Divisão de Esporte, Arte e Cultura), Wilson Lands, afirmou que a entrega acontece após mais de 10 anos sem nenhum equipamento novo comprado pela secretaria. “São instrumentos para aumentar a quantidade de alunos nas bandas, para melhorar a qualidade do som e de oportunidades para nossos estudantes”.

A diretora da escola Licurgo, Claudeci Paula de Almeida, diz que a banda existe desde a década de 80. “A banda é de percussão e acho que somos os pioneiros da Rede Municipal com banda. E nós somos a única escola do estado com uma maestrina. A sensação de receber novos instrumentos é grande de ver a nossa escola sendo representada, homenageada e os nossos alunos sendo valorizados”.

A maestrina Tereza Cristina Pinheiro Graça comanda a banda com 40 alunos desde 2017. “A princípio, os instrumentos antigos ficam para treino, e os novos para a gente se apresentar. E aí nós vamos ter que reformular nossa banda, porque é banda de percussão e como tem equipamentos de sopro, a banda vai se tornar marcial”.

Diretora da Escola Elizabel, Aparecida Gomes Ribeiro tocou na banda quando foi aluna da escola. “É um prazer estar hoje aqui como diretora recebendo esses instrumentos novos, valorizando nossos alunos e retomando a banda que estava parada”.

Conforme o maestro da escola, Brian Coronel Morales, a banda na unidade foi retomada há 3 meses. “Era uma banda de percussão até hoje agora vai ser uma banda marcial. A percussão é mais teclas, mais baquetas Instrumentos de bater, já a Marcial tem instrumentos de sopro”.

Comunidade

 

Fernanda Alfonso é auxiliar fiscal e mãe da Isis, de 10 anos que toca na banda da escola Elizabel. “Os novos instrumentos vão incentivar os alunos, minha filha está bem animada e ansiosa também já para pegar os instrumentos novos”.

A cuidadora de idosos Luana Salomongama é mãe de gêmeas de 10 anos que tocam na banda. “Esses novos instrumentos dão uma valorização para as crianças, é bom ver esse incentivo por parte da prefeitura”.

Cristiane Pinheiro também é mãe de gêmeas que tocam na banda, Manuele e Milena. “Faz dois meses que elas estão na banda porque a gente é novo aqui em Campo Grande e como temos músico na família, elas sempre gostaram. Para eles é muito bom os novos instrumentos porque além de ser um incentivo para eles, de permanecer na banda”.

Alunos

As gêmeas, Milena e Manuele tocam caixa e com a chegada dos equipamentos, já se interessaram pelo trompete. “Um dia vimos o pessoal tocando e a gente se interessou. A caixa é um pouco difícil de tocar, e a gente quer o trompete e eu achei ele bem legal”.

Milena Alves Teixeira, de 11 anos, toca surdo e achou fácil de aprender. “Eu já tinha tocado meia lua, mas mudei para o surdo. Eu acho muito legal os instrumentos, o som composto que faz, fico muito empolgada para tocar”.