12 de junho de 2024
Campo Grande 23ºC

Descaso

Más condições de rua fazem idosa colostomizada parar de ir ao médico

Dona Iracema não consegue caminhar pela rua cheia de pedras soltas que estão na rua, em função das fortes chuvas, enxurradas, buracos e a subida

A- A+

A idosa Iracema Brandão da Silva, 74 anos, que mora no Jardim das Perdizes, na Capital parou de ir ao médico em função das más condições da rua que trafega, a Almerinda Azevedo. Viúva, sem companhia para acompanhá-la e colostomizada há quase dois anos, a idosa tem deixado de ir ao médico pelas más conservação da rua.

Dona Iracema enxerga e escuta com dificuldades e a passos lentos foi até a rua para mostrar a dificuldade que tem ao sair de casa pra cumprir sua rotina de ir a um mercado ou buscar auxílio médico, por exemplo.

Por ser colostomizada, devido a uma cirurgia no intestino, dona Iracema não consegue caminhar pela rua cheia de pedras soltas que estão na rua, em função das fortes chuvas, enxurradas, buracos e a subida. “Vou morrer à míngua aqui? Alguém me ajuda, pelo amor de Deus”, apela a moradora.

A idosa revelou que recentemente sua casa foi furtada e levaram o liquidificador que ela preparava alimentos pastosos que facilitam sua digestão, o ventilador que ajudava espantar os pernilongos (ela afirma ter muitos) e ainda quase todo alimento que tinha em casa.

O vereador Eduardo Romero (PT do B) fez um ofício para a Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), para providências em relação as ruas e para a SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social), pedindo uma visita social para a idosa, já que a referida secretaria trabalha com benefícios eventuais como o de segurança alimentar (mediante parecer social, fornecimento de cesta básica, fruta e verdura).