17 de junho de 2021
Campo Grande 26º 15º

Oposição e base se opõem a pressão de Olarte para assumir Instituto Mirim

A- A+

Se insistir na possibilidade de substituir o Instituto Mirim que atua há 30 anos na capacitação profissional de adolescentes, caso  atual diretoria não renuncie o mandato, o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP) não terá o apoio dos vereadores.

Tanto a base aliada, como a oposição, se posicionaram contra a atitude do atual prefeito e garantem que isso não acontecerá. “Sou totalmente contra, não existe isso, não concordo com a possibilidade de cortar verbas para pressionar porque hoje uma das prioridades da nossa Capital é o Instituto Mirim que trabalha na capacitação dos nossos adolescentes, não vamos deixar isso acontecer”, diz o vereador Airton Saraiva (DEM) que pertence a base aliada de Olarte.

Segundo Saraiva, o Instituto irá receber as verbas normalmente, levando em consideração que tem sido assim desde sempre. “Isso não existe, não tem esse negócio de Bernal, de não sei o que, o que temos que levar em consideração é que o Instituto é nossa prioridade e ele não vai parar por conta de política, isso seria agir de forma irresponsável”.

Concordando com as afirmações de Saraiva, a vereadora Luiza Ribeiro (PPS) que pertence à oposição do prefeito que existe membros da equipe de prefeitos anteriores atuando no Instituto e que este tipo de pressão não pode acontecer.

“Ninguém nunca fez isso, sempre existiu membros de outras gestões, quando o Nelsinho assumiu a prefeitura que era administrada pelo atual governador do Estado, o André Puccinelli (PMDB), algumas pessoas continuam, na gestão do ex-prefeito, Alcides Bernal (PP) também tinha membros do Nelsinho e isso não mudou, é algo sem sentido”, diz a vereadora.

O objetivo é garantir a indicação da primeira-dama e presidente de honra do FAC (Fundo de Atendimento à Comunidade), Andréia Olarte, para o comando do instituto. Ela quer manter a tradição das primeiras-damas, que se repetiu nas últimas gestões com Miriam Gonçalves, de Alcides Bernal (PP), e Maria Antonieta Amorin, na gestão de Nelsinho Trad (PMDB).

O prefeito Gilmar Olarte disse que não houve entendimento entre a diretoria do Instituto Mirim e a prefeitura para realização de renovação de convênio com a instituição. E devido a isso, não renovou o convênio que venceu no final do mês passado e ficaram surpresos em saber que tal instituição não mais pertencia à prefeitura.

Diante disso, cerca de 100 jovens atendidos pelo Instituto Mirim de Campo Grande caminharam ontem até o Paço Municipal para cobrar do prefeito a renovação dos convênios com a instituição.

A assessoria da prefeitura informou à reportagem por telefone que o prefeito estava em seu gabinete no momento do manifesto, mas não atendeu os manifestantes e nenhum secretário foi designado por Olarte para conversar com os jovens.

Dany Nascimento